leituras

“Quanto menos se lê, mais prejuízo traz o que se lê.
E quanto menos ideias temos, mais pobres seremos, e mais escravizados estaremos dessas pobres e poucas ideias”.
Miguel de Unamuno (1864 – 1936)

Marcado com:
Publicado em Política

A esquerda na defensiva

Another week, another setback for social democracy in Europe. On 18 June, Helle Thorning-Schmidt – the charismatic Danish prime minister, Neil Kinnock’s daughter-in-law and taker of selfies with Barack Obama – narrowly fell short of keeping power despite a remarkable comeback from political torpor two years ago. Her centre-left “red” bloc gained 47 per cent of the vote, against the centre-right “blue” bloc’s 51 per cent.

The result is further evidence that the global financial crisis has not tilted the arc of history to the left. It also illustrates another significant political story of our time: the squeezing of the established parties. In southern Europe, the Greek Syriza and the Spanish Podemos are mobilising against austerity; in the north, Eurosceptic parties of the right are on the rise.

In Denmark, the vote share of the populist Danish People’s Party (DPP) – the country’s equivalent of Ukip – surged to over 21 per cent. It became the second most successful party in the election, leapfrogging Venstre, the mainstream centre-right liberal party. The four parties that had dominated Danish politics for decades (Venstre, the Social Democrats, the Conservative People’s Party and the Social Liberals) gained only half of the vote between them.

Denmark’s shift to the right and the squeezing of its establishment are closely linked phenomena. They explain how the DPP managed to colonise ground on both sides of the electoral landscape. It has been nibbling the support of right-wing parties for over a decade by forcing immigration into the mainstream political debate. And yet, focusing on immigration alone, it struggled to get much more than 13 per cent of the vote. What made its campaign different this time was that it managed to reinvent itself as a party of the left – or the “left behind”.

The DPP performed particularly well in rural Jutland, the peninsula that makes up most of Denmark’s land mass, which suffers from lower growth rates than metropolitan areas. As one Danish politician explained to me, “The core dividing line in this election was between Jutland and Copenhagen.” The DPP has set itself up in opposition to the entire metropolitan political elite and won record levels of support.

As well as stealing votes from the centre right, the DPP tacked left by opposing the centre-left government’s plan to cut social benefits and pensions, a campaign based on “maintaining the Denmark you know”. It argued that the government should stop spending money on migrants and foreign aid, and should invest instead in social benefits for Danes. By linking migration to the future of the Scandinavian welfare state, the DPP managed to win support without sounding hysterical about immigration. In the televised debates, it was the two mainstream candidates – Venstre’s Lars Løkke Rasmussen and the Social Democrats’ Thorning-Schmidt – who were toughest on migrants.

Many Social Democrats, including a former minister who asked to remain anonymous, argue that the DPP was able to reinvent itself because their party had lost credibility by cutting taxes and consenting to austerity. The Social Democrats were caught in a pincer movement of their own making, hoping to win votes from Venstre by adopting a conservative economic platform and from the DPP by focusing on immigration. In the process, they lost their identity, leaving the door open for the DPP to grab a clutch of left-leaning voters.

The problem for Thorning-Schmidt was that although her party managed to defy expectations and top the poll with an impressive 26 per cent, the vote share of her putative coalition partners the Social Liberals and the Socialist People’s Party collapsed to under 5 per cent. Her campaign was successful for the Social Democrats but it destroyed support for her allies. It was a classic pyrrhic victory. Sweden is now the only country in Scandinavia that still has a centre-left government, contrary to the general view of the region.

Denmark’s Social Democrats were caught in the same trap as other leftist parties across the continent, unable to own or to challenge the neoliberal consensus. As a result, they were torn between reassuring the electorate by mimicking the right and mobilising it by offering a distinct alternative.

This is also the choice that will confront the Labour Party’s leadership candidates in the UK. The Danish election has relevance beyond Copenhagen. Like the human drama that captivated the world in the television seriesBorgen, it points to a universal progressive dilemma.

Publicado em Notícias

Experiências com a Renda Básica de Cidadania

Some people in the Dutch city of Utrecht might soon get a windfall of extra cash, as part of a daring new experiment with the idea of “basic income.”

Basic income is an unconditional and regular payment meant to provide enough money to cover a person’s basic living cost. In January of 2016, the fourth largest city in the Netherlands and its partner, the University of Utrecht, will create several different regimes for its welfare recipients and test them.

A group of people already receiving welfare will get monthly checks ranging from around €900 ($1,000) for an adult to €1,300 ($1,450) for a couple or family per month. Out of the estimated 300 people participating, a group of at least 50 people will receive the unconditional basic income and won’t be subject to any regulation, so even if they get a job or find another source of income, they will still get their disbursement, explained Nienke Horst, a project manager for the Utrecht city government. There will be three other groups with different levels of rules, and a control group that will follow the current welfare law, with its requirements around job-seeking and qualifying income.

The experiment seeks to challenge the notion that people who receive public money need to be patrolled and punished, said Horst. The traditional criticism of basic income is that it does not incentivize people to work, and thereby damages the economy.

“People say they are not going to try as hard to find a job,” she told Quartz. “We will find out.” Her view, however, is optimistic: “We think that more people will be a little bit happier and find a job anyway,” she said.

Other countries, including India and Malawi, have tested basic income in the past, but the most famous experiment was one carried out in the Canadian town of Dauphin, in Manitoba. Between 1974 and 1979, TheMincome program gave a stipend to the entire population, varying depending on how much money each person earned.

Evelyn L. Forget, an economist at the University of Manitoba, studied this experiment and wrote a report called “The town with no poverty,” published in 2011. Her conclusion? Basic income reduced Dauphin’s poverty and alleviated several other problems.

Although working hours dropped, as skeptics had predicted, it happened mainly among young men, who instead continued their education, and mothers who used the financial freedom to focus on childrearing.

“People thought that it was negative, but men were less likely to drop school, which has an influence in lifetime earnings,” she told Quartz, “and women took longer maternity leaves.”

People who participated in Mincome were less likely to go to hospitals and the town’s health facilities saw a drop in mental-health-related complaints, reducing costs, Forget said.

One substantial difference between Dauphin’s Mincome and the Utrecht experiment, however, is the Canadian program was universal and Utrecht’s will be restricted to those already on welfare.

“What you lose by limiting the program to current welfare recipients is the possibility of making life better for the working poor—people earning low wages in part-time or contractual jobs who sometimes fall between the cracks of the existing system,” said Forget. “When you have a program with more freedom, people have the power to take responsibility for their own decisions and, I think, the outcomes will be beneficial.”

The effect of running a program like Mincome long-term remains unclear—it was ended without any proper evaluation of its results after the Conservative government took over the provincial government in 1977, and the federal government in 1979.

Perhaps Utrecht will offer more insight.

Publicado em Renda de Cidadania

Março

IN MEMORIAM
Ao meu morto querido

Na cidade de Assis, Il poverello
Santo, três vezes santo, andou pregando
Que o sol. a terra, a flor e o rocio brando,
Da pobreza o tristíssimo flagelo,
Tudo quanto há de vil, quanto há de belo,
Tudo era nosso irmão! – E assim sonhando,
Pelas estradas da Umbria foi forjando
Da cadeia do amor o maior elo!
“Olha o nosso irmão Sol, nossa irmã Água…”
Ah! Poverello! Em mim, não há esse amanhã
Perdeu-se como vela em mar de mágoa
Batida por furiosos vendavais!
– Eu fui na vida o irmão duma só irmã,
E aqui já não sou dela irmão, nunca mais!

Floberla Espanca (ao meu morto querido)
Com a escusas das pequenas alterações.
O original é:
IN MEMORIAM
Ao meu morto querido

Na cidade de Assis, Il poverello
Santo, três vezes santo, andou pregando
Que o sol. a terra, a flor e o rocio brando,
Da pobreza o tristíssimo flagelo,
Tudo quanto há de vil, quanto há de belo,
Tudo era nosso irmão! – E assim sonhando,
Pelas estradas da Umbria foi forjando
Da cadeia do amor o maior elo!
“Olha o nosso irmão Sol, nossa irmã Água…”
Ah! Poverello! Em mim, essa lição
Perdeu-se como vela em mar de mágoa
Batida por furiosos vendavais!
– Eu fui na vida a irmã dum só irmão,
E já não sou a irmã de ninguém mais!

Publicado em Notícias

Antes que fevereiro se vá

Ruy Fausto é um dos poucos intelectuais de esquerda no Brasil que enfrentam a tragédia da revolução russa, ,a de  novembro,  a bolchevique & anarquista, e a impressionante mitologia criada em torno dela por pessoas que pretendiam portar um conhecimento “científico” e pariram mais um dogma de caráter religioso.
Não há, neste acerto de contas, nenhuma indicação segura para a situação dos humanos no Brasil ou no mundo. Há rigor teórico e, mais do que tudo, rigor com os fatos. Nenhuma ilusão: a Revista Fevereiro, que abriga estes textos do Ruy Fausto possui algo em torno de 300 curtidas no facebook.  Minoria da minoria da minoria.  Mas é uma leitura que me empolga, como as 3 obras primas de Machado, os poemas de Manoel de Barros, Mario Quintana e Manuel Bandeira.

Segue o trecho final do Editorial de apresentação da da Revista Fevereiro. O texto completo está em :
http://revistafevereiro.com/pag.php?r=01&t=00
“Fevereiro foi o mês de várias revoluções que mudaram ou tentaram mudar a face do mundo. Primeiro, as revoluções europeias de 1848, “primavera dos povos“, afogadas em sangue pelos grandes da Europa Ocidental e Oriental. Depois a revolução russa que derrubou o czar (fevereiro de 1917, segundo o calendário russo de então) e poderia ter aberto o caminho para uma experiência socialista democrática inédita, não fosse liquidada pelos golpes complementares de uma centro-esquerda que sucumbiu diante do chauvinismo belicista (que, antes, fora a causa direta do colapso do regime czarista) mais a uma aliança a qualquer custo com os liberais, e de uma extrema-esquerda jacobina que conduziu o país a um regime totalitário genocida e, depois, à volta do pior capitalismo. Fevereiro foi também o mês da última ofensiva popular contra o bolchevismo, em 1921, que culminou na revolta de Cronstadt, em favor (entre outras coisas) de eleições livres para os soviets.

Mas e o Brasil? Não seria impossível encontrar “fevereiros” heróicos e populares na história do Brasil, mas a evocação seria artificial. Mais do que nada, fevereiro é entre nós o mês do carnaval. Não importa, ou tanto melhor. Para uma revista que, acima de tudo, não será sectária, nem carente de humor, embora se pretenda rigorosa e intransigente, a evocação da festa popular – poluída embora pelos interesses, a droga e quejandas misérias – não é em si mesma perturbadora. Aliás, “Carnaval” é também o nome de um livro de poemas de Manuel Bandeira. Que, com os manes da melhor tradição socialista democrática e libertária, também nos iluminem os manes de uma festa popular, mais a mensagem dos melhores entre os melhores da nossa literatura, são os votos de Fevereiro para nós mesmos e para os nossos leitores. E podemos concluir, já que o mencionamos, com o pedido do poeta, que também é o nosso: “Eu quero a estrela da manhã, onde estará a estrela da manhã?”

Pois então, juntemos Manuel Bandeira a este texto:

Manuel Bandeira & A estrela da manhã

Estrela da Manhã

ESTRELA DA MANHÃ

Eu quero a estrela da manhã
Onde está a estrela da manhã?
Meus amigos meus inimigos
Procurem a estrela da manhã

Ela desapareceu ia nua
Desapareceu com quem?
Procurem por toda a parte

Digam que sou um homem sem orgulho
Um homem que aceita tudo
Que me importa? Eu quero a estrela da manhã

Três dias e três noites
Fui assassino e suicida
Ladrão, pulha, falsário

Virgem mal-sexuada
Atribuladora dos aflitos
Girafa de duas cabeças
Pecai por todos pecai com todos

Pecai com os malandros
Pecai com os sargentos
Pecai com os fuzileiros navais
Pecai de todas as maneiras

Com os gregos e com os troianos
Com o padre e com o sacristão
Com o leproso de Pouso Alto

Depois comigo

Te esperarei com mafuás novenas cavalhadas
comerei terra e direi coisas de uma ternura tão simples
Que tu desfalecerás
Procurem por toda parte
Pura ou degradada até a última baixeza
eu quero a estrela da manhã

Marcado com: ,
Publicado em Política

100 vezes Cláudia

100 vezes Cláudia.

Publicado em Notícias

Uma frase desconcertante

A frase mais desconcertante sobre a frágil condição humana que li, veio de Varlam Shalamov (1907-1982 ), sobrevivente do campo de Kolyma, o mais tenebroso de todo o Gulag soviético:

“Se a tragédia e a necessidade puseram pessoas juntas e fizeram surgir uma amizade entre elas então a necessidade não era extrema e a tragédia não era absoluta”

Quanto mais o leio mais o aprecio e mais significados encontro nessa frase.

A solidariedade é um indicativo de que a alma humana não foi totalmente corrompida. O Gulag soviético, os campos nazistas e os porões das ditaduras na América latina , nos seus piores momentos, testaram o ambiente e o tempo necessário para que a tragédia sufocasse por completo a solidariedade.

Os contos de Shalamov, no seu estilo seco, tchecoviano, nada panfletário, revelam com crueza os métodos para que tal ocorresse, em Kolyma.

Seria muito esquisito que o mesmo prosperasse no Estado de Direito brasileiro. Ainda assim, foi exatamente isso que o Ministro Gilmar Mendes, do STF, e o presidente do PPS, Roberto Freire, tentaram, com o devido aval da Globo Overseas BV: Impedir e sabotar a solidariedade aos presos do PT na AP 470. Não conseguiram.

Não se trata aqui, claro, de cobrar solidariedade de quem não percebeu nenhuma arbitrariedade ou irregularidade no processo. Mas de defender o direito de quem assim o percebeu, de exercê-la sem que um ministro da mais alta corte do país e o presidente de um partido político tentem criminalizar a solidariedade.

Citando João Paulo Cunha, Vossas Excelências podem muito mas não podem tudo. Perderam. Não há, ao menos ainda, ambiente no Brasil para a corrupção total da alma.

Publicado em Política
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Lava Jato: irregularidades debaixo do tapete 18/09/2017
    Marcelo Auler Ao entender que não há elementos suficientes que provem a materialidade do crime de falsidade ideológica no Inquérito Policial (IPL) 01/2017-COAIN/COGER (autos 5003191-72.2017.404.7000) e […] O post Lava Jato: irregularidades debaixo do tapete apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Gilberto Carvalho: “eleições sem Lula, vai ter guerra” 14/09/2017
    Marcelo Auler “Não vamos brincar com esta história de ter eleição no ano que vem sem o Lula. Não vai ser assim. Não pensem eles que […] O post Gilberto Carvalho: “eleições sem Lula, vai ter guerra” apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Um novo general Mourão bomba nas redes sociais
    Calma, não há sinais de tropas, tanques e fuzis nas ruas. Mais do que o ataque de um militar da ativa à democracia, o primeiro desde o fim da ditadura em 1985, assustadora foi a repercussão do discurso-bomba do general Antonio Hamilton Martins... Continue lendo
  • Advogado viajou e STF adia decisão sobre prisão de Aécio
    Rodrigo Janot já deixou a Procuradoria-Geral da República e Raquel Dodge foi empossada pelo presidente Michel Temer na manhã desta segunda-feira, mas o STF ainda não julgou os três pedidos de prisão feitos contra o senador Aécio Neves,... Continue lendo
  • Ironia poética: general diz que milicos darão golpe nos golpistas 19/09/2017
    Foi poeticamente irônica a fala do general da ativa que disse em evento reaça em Brasília que "o alto comando das Forças Armadas" planeja dar um golpe militar. Esse recado não foi para o PT, foi para Executivo, Legislativo e Judiciário, que relativizaram o voto popular ao aceitar ou promover o golpe contra Dilma. Agora, os golpistas colhem o fruto […]
    eduguim
  • Na mesa de posse de Raquel Dodge, só Cármen Lúcia não é investigada 19/09/2017
    Via Congresso em Foco em 18/9/2017 Em seu discurso de posse, no qual prometeu firmeza e coragem no combate à corrupção, a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, dividiu a mesa com três políticos suspeitos do crime que pretende enfrentar: os presidentes da República, Michel Temer (PMDB), da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), e do Senado, […]
    bloglimpinhoecheiroso
  • Essa agora: Geddel diz que sofre ameaça de estupro na Papuda e quer ir pra casa 14/09/2017
    Que Geddel, o homem das malas e caixas com R$ 51 milhões de propina em casa, iria armar alguma para sair da Papuda e ficar em casa numa prisão domiciliar refrigerada a gente já sabia. Mas a desculpa que ele arranjou foi demais:A defesa de Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) alegou risco de “estupro” na Penitenciária da Papuda, local em que o ex-ministro está recolh […]
    Antonio Mello
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • This Year's Poverty Data Looks a Lot Different When You Break It Down by Race
    Last week's Census release of data on income, poverty, and health insurance demonstrated two things: There are policies that work for people who are struggling, and there is still a lot of work left to do -- especially for people of color in America. It is encouraging that the people who saw the worst losses in the years since the Great Recession -- spe […]
  • Can Trump Pardon Himself and His Children?
    Was it legal for Ronald Reagan to pardon George Steinbrenner? Was it legal for Richard Nixon to pardon Jimmy Hoffa? Was it legal for Bill Clinton to pardon Patty Hearst? Yes, yes and yes. Yet presidential pardon power is vast, but not limitless. As the Department of Justice makes crystal clear, the presidential pardon power does not extend to crimes that vio […]

Parece que o URL do site WordPress foi configurado incorretamente. Verifique o URL nas configurações do widget.

%d blogueiros gostam disto: