Silêncio ofensivo

cachos-de-uva

Há um silêncio na campanha presidencial dos EUA sobre a ofensiva do império que aterroriza, ou deveria aterrorizar, os que observam a política

A candidata do Partido Verde, Jill Stein, destoa e, por isso mesmo, não aparece na mídia nem estará nas pesquisas eleitorais e nas cédulas da maioria das cidades nas eleições de 8 de novembro deste ano, 2016.

Em 1968 as ações da contrarrevolução foram ousadas, precedendo a formulação teórica da ofensiva neoliberal. Martin Luther King e Robert Kennedy foram assassinados. A convenção do partido democrático, com muitos delegados de esquerda, foi fraudada sob o manto de uma violência, então inaudita nesses ambientes, da polícia de Chicago que salivava ódio e veio com sangue nos olhos.

John Pilger, jornalista e cineasta australiano, radicado na Inglaterra em visita aos EUA foi filmar no Lincolm Memorial, em Washington. Presenciou o guia proclamando para crianças e adolescentes: “Perdemos 58.000 jovens soldados no Vietnã, e eles morreram defendendo sua liberdade. Nunca esqueçam isso.”

O guia inverteu a verdade sobre o Vietnã com uma mentira sem contestação, de um modo automático, sem malícia, como se fosse uma verdade incontrastável.

Os milhões de vietnamitas que morreram e foram mutilados e envenenados e despossuídos pela invasão norte-americana não têm lugar histórico nas mentes jovens, para não mencionar os cerca de 60.000 veteranos que se suicidaram.

É assim que funciona também na exposição popular chamada “The Price of Freedom” no venerável Smithsonian Institution, em Washington. As filas de pessoas comuns, na sua maioria crianças, são brindadas com uma variedade de mentiras: o bombardeio atômico de Hiroshima e Nagasaki salvou “um milhão de vidas”; Iraque foi libertado por ataques aéreos de precisão sem precedentes”. O tom é infalivelmente heroico: somente os americanos pagam o preço da liberdade.

A campanha eleitoral 2016 é notável não só pelo surgimento de Donald Trump e Bernie Sanders, mas também pela resiliência de um silêncio duradouro sobre uma divindade autoconcedida assassina. Um terço dos membros das Nações Unidas já sentiram a bota de Washington, seja derrubando governos, subvertendo a democracia, seja pela imposição de bloqueios e boicotes. A maioria dos presidentes responsáveis foram liberais – Truman, Kennedy, Johnson, Carter, Clinton, Obama.

O registro da perfídia, de tirar o fôlego, é tão alterado na mente do público, escreveu o falecido Harold Pinter, que “nunca aconteceu … Nada jamais aconteceu. Mesmo enquanto estava a acontecer isso não estava acontecendo. Não importava. Foi sem interesse. Não importava … “. Pinter expressa uma admiração zombeteira para o que ele chamou de “uma manipulação bastante clínica do poder em todo o mundo, enquanto que aparece como uma força para o bem universal. É ato de hipnose brilhante, até espirituoso , e altamente bem sucedido. “

Pegue Obama. Enquanto se prepara para deixar o cargo, a bajulação começou de novo. “Ele é legal”. Um dos presidentes mais violentos, Obama restabeleceu pleno poder aos aparelhos de fazer guerra do Pentágono de seu desacreditado predecessor. Ele processou mais denunciantes – na verdade reveladores da verdade – do que qualquer presidente. Ele proclamou Chelsea Manning culpado antes deste ser julgado. Hoje Obama dirige uma campanha mundial sem precedentes de terrorismo e assassinato por drones.

Em 2009 Obama prometeu ajudar a “livrar o mundo de armas nucleares” e foi premiado com o Nobel da Paz. Nenhum presidente americano construiu mais ogivas nucleares do que Obama. Ele está “modernizando” o arsenal do fim do mundo da América, incluindo uma novo “mini” arma nuclear, cujo tamanho e tecnologia “inteligente”, diz um general de ponta, permite que o seu uso “não seja mais impensável”.

James Bradley, o autor best-seller de Bandeiras dos Nossos Pais e filho de um dos fuzileiros navais americanos que levantaram a bandeira em Iwo Jima, disse: “[Um] grande mito que estamos vendo esvair é o de Obama como uma espécie de cara tranquilo que está tentando se livrar das armas nucleares. Ele é o maior guerreiro nuclear que existe. Ele nos compromete a um curso ruinoso de gastar um trilhão de dólares em mais armas nucleares. De alguma forma, as pessoas vivem nesta fantasia porque ele dá coletivas de imprensa e discursos vagos e fotos promocionais bacaninhas como se de alguma forma isso estivesse conectado à política real. Não está. ”

No relógio de Obama, uma segunda guerra fria está em curso. O presidente russo é um vilão caricato; os chineses ainda não estão de volta à sua caricatura sinistra -, quando todos os chineses foram banidos dos Estados Unidos – mas os guerreiros de mídia estão trabalhando nisso.

Nem Hillary Clinton nem Bernie Sanders mencionam nada disso. Não há nenhum risco e não há perigo para os Estados Unidos e para todos nós. Para eles, o maior reforço militar nas fronteiras da Rússia desde a Segunda Guerra Mundial não aconteceu. Em 11 de maio, a Roménia ficou “viva” com uma base da Otan “de mísseis de defesa” que mira seus mísseis americanos de primeiro ataque no coração da Rússia, segunda potência nuclear do mundo.

Na Ásia, o Pentágono está enviando navios, aviões e forças especiais para as Filipinas numa clara ameaça à China. Os EUA já circundam a China, com centenas de bases militares que se curvam em um arco desde a Austrália até a Ásia passando por todo o Afeganistão. Obama chama isso de “pivot”.

Como consequência direta, China supostamente mudou sua política de armas nucleares a partir do “não primeiro uso” para o alerta máximo e colocou submarinos no mar com armas nucleares. A escada rolante está se acelerando.

Foi Hillary Clinton quem, como secretária de Estado, em 2010, elevou as disputas territoriais sobre rochas e recifes no Mar da China do Sul para uma questão internacional; histeria da CNN e BBC se seguiu; China estava construindo pistas sobre as ilhas em disputa. No seu jogo de guerra de mamute em 2015, a Operação Talisman Sabre, os EUA e a Austrália praticaram “asfixia” do Estreito de Malaca por onde passa a maior parte do petróleo e do comércio da China. Isso não foi notícia.

Clinton declarou que os Estados Unidos tinham um “interesse nacional” nestas águas asiáticas. Filipinas e Vietnã foram incentivados e subornados para apresentar as suas queixas e velhas inimizades contra a China. Nos Estados Unidos, as pessoas estão sendo preparados para ver qualquer posição defensiva chinesa como ofensiva, e assim o terreno é preparado para rápida escalada. Uma estratégia similar de provocação e propaganda é aplicada à Rússia.

Clinton, a “candidata das mulheres”, deixa um rastro de golpes de Estado sangrentos: em Honduras, na Líbia (mais o assassinato do presidente da Líbia) e na Ucrânia. Esta última é agora um parque de diversões da CIA repleta de nazistas e a linha de frente de uma guerra acenando para a Rússia. Foi através da Ucrânia – literalmente fronteira – que os nazistas de Hitler invadiram a União Soviética, que perdeu 27 milhões de pessoas. Esta catástrofe épica continua a ser uma presença na Rússia. A campanha presidencial de Clinton recebeu dinheiro de todos, exceto uma, das dez maiores empresas de armas do mundo. Nenhum outro candidato chega perto.

Sanders, a esperança de muitos jovens americanos, não é muito diferente de Clinton em sua opinião de proprietário do mundo para além dos Estados Unidos. Ele apoiou o bombardeio ilegal de Bill Clinton da Sérvia. Ele apoia o terrorismo de Obama pelos drones, a provocação da Rússia e o regresso das forças especiais (esquadrões da morte) para o Iraque. Ele não tem nada a dizer sobre o trambor de ameaças à China e o risco acelerado de guerra nuclear. Ele concorda que Edward Snowden deve ser julgado e ele chama Hugo Chávez – como ele, um social-democrata – “um ditador comunista morto”. Ele promete apoiar Clinton se ela for nomeada.

A eleição de Trump ou Clinton é a velha ilusão de escolha onde não há escolha: duas faces da mesma moeda. Ao culpar minorias e prometer “fazer América grande de novo”, Trump é uma medida populista de direita doméstica; No entanto, o perigo de Clinton pode ser mais letal para o mundo.

“Só Donald Trump disse algo significativo e crítico da política externa dos EUA”, escreveu Stephen Cohen, professor emérito de História da Rússia em Princeton e na NYU, e um dos poucos especialistas sobre Rússia nos Estados Unidos que fala sobre o risco de guerra.

Em uma transmissão de rádio, Cohen referiu as questões críticas que só Trump levantou. Entre elas: porque é que os Estados Unidos estão “em todos os lugares do globo”? Qual é a verdadeira missão da OTAN? Por que os EUA sempre buscam uma mudança de regime no Iraque, Síria, Líbia, Ucrânia? Por que Washington trata a Rússia e Vladimir Putin como um inimigo?

A histeria na mídia liberal sobre Trump serve como uma ilusão de “debate livre e aberto” e “democracia em ação”. Seus pontos de vista sobre os imigrantes e os muçulmanos são grotescos, mas o deportador-em-chefe das pessoas vulneráveis da América não é Trump, mas Obama, cuja traição ás pessoas de cor é o seu legado: como o encarceramento de uma população prisional, em sua maioria negros, agora mais numerosa do que o gulag de Estaline.

Esta campanha presidencial pode não ser sobre populismo mas sobre o liberalismo americano, uma ideologia que se vê como moderna e, portanto, superior e o único caminho verdadeiro. Setores de direita deles têm uma semelhança com imperialistas cristãos do século 19, com um dever dado por Deus para converter ou cooptar ou conquistar.

Na Grã-Bretanha, este é o blairismo. O cristão criminoso de guerra Tony Blair avançou com sua preparação secreta para a invasão do Iraque, em grande parte porque a mídia e a classe política liberal apaixonou-se por sua “Britannia cool”. No Guardian o aplauso era ensurdecedor; ele foi chamado de “mito”. Uma distração conhecida como política de identidade, importado dos Estados Unidos, restou facilmente sob seus cuidados.

A história foi declarada encerrada, classes abolidas e gênero promovido como feminismo; muitas mulheres se tornaram novas deputadas pelo Trabalhismo. Eles votaram no primeiro dia do Parlamento para cortar os benefícios de famílias monoparentais, na sua maioria mulheres, conforme instruídas. A maioria votou por uma invasão que produziu 700.000 viúvas iraquianas.

O equivalente nos EUA são os fomentadores da guerra politicamente corretos no New York Times, no Washington Post e nas redes de TV que dominam o debate político. Eu assisti a um debate furioso na CNN sobre infidelidades de Trump. Ficou claro, eles disseram, que não se pode confiar num homem como esse na Casa Branca. Não foram levantadas questões. Nada sobre o 80 por cento dos norte-americanos cuja renda entrou em colapso para os níveis de 1970. Nada sobre a deriva para a guerra. A sabedoria recebida parece ser “tampe o nariz” e vote em Clinton: qualquer um , menos Trump. Dessa forma, você detêm o monstro e preserva um sistema que silencia para outra guerra.

Texto baseado no artigo de John Pilger:
http://johnpilger.com/articles/silencing-america-as-it-prepares-for-war

Texto baseado no artigo de John Pilger

470x357-c37

Marcado com: , , ,
Publicado em Política
  • Xadrez da globalização e da financeirização
    Categoria:  Coluna Econômica Luis Nassif Caso 1 - as guerras internas na geopolítica Desde a criação do padrão ouro, sempre houve uma disputa interna, nos países, em torno do modelo. O padrão ouro era essencial para a globalização do sistema financeiro, ao criar uma medida de valor global para os países que aderiam. Por outro lado, impedia os países de prati […]
  • Clipping do dia
    As matérias para serem lidas e comentadas.
  • O “Fora Diniz!” que a Globo não mostrará 24/06/2017
    Marcelo Auler Neste domingo (25/06), a Avenida Atlântica, em Copacabana (zona Sul do Rio), será palco de mais uma manifestação com a bandeira do “Fora”. Mas, […] O post O “Fora Diniz!” que a Globo não mostrará apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • CCJ pode impor novo revés a Temer 22/06/2017
    Marcelo Auler “A matéria tem sido discutida de forma açodada. Em que pese as inúmeras sugestões enviadas a este Senado Federal pelas diversas representações dos trabalhadores […] O post CCJ pode impor novo revés a Temer apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Lula e Bolsonaro sobem para 2018; o PSDB encolhe
    O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), ex-militar candidato da extrema-direita, engoliu os presidenciáveis do PSDB na disputa pelo segundo lugar, enquanto o ex-presidente Lula sobe e segue líder disparado em todos os cenários de primeiro turno... Continue lendo
  • São Paulo de Ceni & Leco segue rumo à degola
    Eles conseguiram. Com tantos erros na compra e venda de jogadores, escalações e substituições, a pomposa dupla Ceni & Leco, que transformou o Morumbi em armazém de secos e molhados, está levando o tricampeão mundial para a zona da degola... Continue lendo
  • Sem Lula e o PT, Brasil será governado pela extrema-direita 26/06/2017
    Em 30 junho de 2013, o Blog da Cidadania divulgou análise afirmando que as manifestações por 20 centavos iriam gerar traição de Michel Temer, um golpe parlamentar via impeachment de Dilma Rousseff e uma crise econômica sem precedentes. Agora, o Blog avisa: se a esquerda não se unir em torno de Lula e do PT, o país vai cair na mão da extrema-direita. […]
    admin
  • Luis Nassif: Como a Globo tornou-se ameaça à soberania nacional 27/06/2017
    Luis Nassif, via Jornal GGN em 26/6/2017 A TÍTULO DE INTRODUÇÃO – O QUE ESTAVA EM JOGO Como abordamos em vários postagens, havia um mundo em transformação, a China e os Brics irrompendo como poderes alternativos, a crise de 2008 comprometendo o modelo neoliberal. Ao mesmo tempo, uma acomodação da socialdemocracia nos anos de liberalismo, […]
    bloglimpinhoecheiroso

Parece que o URL do site WordPress foi configurado incorretamente. Verifique o URL nas configurações do widget.

%d blogueiros gostam disto: