Croácia rumo ao fascismo

Tornar a Croácia grande novamente: como o fascismo surgiu no Estado mais jovem da União Européia
Sao Marco Zagreb

Nas entranhas croatas, o declínio econômico juntou-se aos receios sobre a migração do Oriente Médio.

Em 14 de maio, milhares de croatas se reuniram num campo no sul da Áustria para acompanhar uma missa católica realizada para homenagear os soldados fascistas mortos no final da Segunda Guerra Mundial. Bandeiras negras ondulavam na brisa, tendo a saudação “Pela pátria, pronto!” associado ao regime Ustashe – um estado fantoche nazista que enviou dezenas de milhares de judeus, ciganos e sérvios a serem executadas nos campos de extermínio.

Entre os VIPs na primeira fila da cerimônia sentou-se Branimir Glavaš, um criminoso de guerra condenado desde o conflito dos Balcãs dos anos 1990. A uma curta distância estava Zlatko Hasanbegovic, novo ministro da Cultura da Croácia, e perto dele Tomislav Karamarko, líder da direitista Coalizão Patriótica, que chegou ao poder em janeiro deste ano.

A presença de figuras proeminentes do governo em um evento que tem sido um ponto de encontro dos pró-nazistas croatas é um dos indícios mais claros de que o estado membro mais recente da União Europeia tombou perigosamente para a direita. A mudança segue movimento semelhante para o autoritarismo de extrema direita pela Europa Oriental, como na Polônia e na Hungria. Neste último, o primeiro-ministro, Viktor Orbán, mereceu condenação da ONU por sua postura anti-imigrante linha-dura, considerada necessário, ele disse, “para manter a Europa cristã “.

Em Varsóvia, Jarosław Kaczynski, o arqui-conservador líder do partido Lei e Justiça parece ter adotado Orbán como um modelo em seus esforços para tomar de assalto as instituições democráticas do país. Nos Estados-Membros mais jovens da UE, ao que parece, a extrema-direita voltou ao palco principal.

Zlatko Hasanbegovic é um adepto do Ustashe. Durante uma entrevista na televisão pública no ano passado, ele disse que o anti-fascismo era “um chavão”, que “não tinha base na Constituição”. Com exceção de alguns intelectuais e ativistas, os croatas parecem não se importar. Hasanbegovic liderou uma repressão contra a imprensa independente, tirando o financiamento público da mídia sem fins lucrativos e desdenhou das acusações de “limpeza política” após a remoção de dezenas de jornalistas de TV estatal.

“Democracia? Não temos isso, na verdade “, diz Saša Lekovic, presidente da Associação de Jornalistas da Croácia ‘, quando nos encontramos em seu escritório ao largo da praça Marechal Tito em Zagreb, capital do país. “Oficialmente, é claro, temos um sistema parlamentar. Mas estamos nos aproximando ao mesmo nível que a Polónia e a Hungria. . . O que você vê é uma tendência. ”

Zagreb – em contraste com os populares paraísos balneários do país – é uma cidade de fachadas em ruínas, varandas enferrujadas e afetadas pelos graffitis . Declínio econômico na sequência da adesão à UE em 2013 forneceu terreno fértil para a ascensão do conservadorismo nacionalista. Só no ano passado a economia emergiu de uma recessão de seis anos. O desemprego está em 17,5 por cento, com o desemprego entre os jovens em 40 por cento. A dívida pública é de 87 por cento do PIB e continua a crescer. A crise migrante, que obrigou um grande número de refugiados sírios a atravessar a Croácia, desde 2014, tem endurecido as tendências nacionalistas entranhadas.

O sentimento de direita é mais forte em áreas rurais do interior da Croácia, ainda marcada pelas guerras dos Balcãs. Mas quase igualmente problemática é a apatia predominante entre a elite de jovens urbanos do país. Perguntado sobre o que eles achavam de ter um simpatizante fascista no governo, a maioria das pessoas com quem falei em Zagreb simplesmente deu de ombros: uma indiferença que brota da sua percepção de que faz pouca diferença quem está no poder. Esquerda e direita estão unidos na cleptocracia.

Trinta e oito anos de idade Thomir Durkan chega no Café Godot em Zagreb às 11 hs para beber cerveja e fumar desbragadamente. “Desempregado”, ele me diz, quando perguntado o que ele faz para ganhar a vida. Pergunto o que ele gostaria de fazer se ele tivesse um emprego. “Na verdade, eu possuo uma empresa”, diz ele, com um sorriso amargo. “Design de interiores. Mas não há trabalho. . . Então, eu estou desempregado. ”

Ao virar da esquina na Universidade de Zagreb, Katerian, de 24 anos de idade,  uma estudante de Inglês, me conta sobre sua visão da boa vida. “Eu só quero ter um contra-cheque  constante”, diz ela. “Um lugar para viver. Contas pagas.Algo parecido. Apenas o básico. Eu gostaria de viver sem pensar se eu vou ter dinheiro suficiente para pagar minhas contas ou comprar comida amanhã “.

No coração da Croácia, o declínio econômico combinado com os receios sobre a migração do Oriente Médio, especialmente entre as legiões de veteranos da guerra dos Bálcãs,  formam a base de apoio para a nova liderança do país. Muitas destas pessoas permanecem consumida pelas disputas de sangue das guerras dos Bálcãs e olham para trás nostalgicamente para a era Ustashe como um momento de orgulho  e integridade territorial, antes dos danos causados pelo comunismo. A Croácia, como a Polônia e a Hungria, teve apenas 25 anos de democracia e dinâmicas autoritários podem parecer confiáveis em tempos difíceis.

“Essas personalidades autoritárias emergem numa crise, oferecendo uma promessa para superá-la”, diz Gvozden Flego, professor de filosofia social na Universidade de Zagreb. ” ‘Se você me seguir, as coisas vão melhorar”, dizem. ”

Cemitério Mirogoj, nos arredores de Zagreb, é um necrópole do século 19, onde bouquets frescos repousam sobre imaculados lotes. Parece a mundos de distância dos apodrecidos edifícios da capital. Na Croácia, ao que parece, as pessoas se preocupam mais com os mortos do que com os vivos.

E ainda há lembranças dolorosas aqui: no monumento às centenas de crianças sérvias que morreram em um campo de concentração Ustashe, por exemplo, ou no “Muro da Dor” , um memorial para os croatas, soldados e civis, mortos em conflito com os sérvios.

Há também a esperança. Mirogoj é um lugar onde as pessoas de todos os credos e etnias são enterradas: cristãos, judeus, ciganos e muçulmanos. E Flego sublinha que – mesmo que o governo da Croácia açule a inimizade dos tempos de guerra – todos os lados nos conflitos da região cuidam das suas tragédias. “Cada vítima é uma vítima”, diz ele. “Devemos ter tristeza para todos.”

“Esta é a verdadeira tragédia do momento presente”, diz ele. “Estamos virando a cabeça para o passado, quando deveríamos estar focando um futuro melhor.”

Original por Joji Sakura em:
http://www.newstatesman.com/culture/observations/2016/05/make-croatia-great-again-how-fascism-emerged-eu-s-youngest-state

Original por Joji Sakura

Marcado com: , , ,
Publicado em Política
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • HC do Lula: OAB, em cima do muro, se omite 13/07/2018
    Marcelo Auler Durante a “chanchada do solta-não-solta de domingo”, como definiu Tereza Cruvinel em sua coluna no Jornal do Brasil nesta sexta-feira 13 – Esperando alguma luz – a […]
    Marcelo Auler
  • Registro 564/2018: do HC de Lula descumprido 11/07/2018
    Marcelo Auler (*) O domingo 08 de julho entrou na história do judiciário brasileiro. Se até então discutia-se a insegurança jurídica que se abate sobre o […]
    Marcelo Auler
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • A despedida do Balaio do Kotscho
    Adeus, amigos. Chegou a hora da despedida do Balaio do Kotscho aqui no R7, que publicou meu blog desde 2011. Foram quase seis anos e meio de convívio quase diário, de domingo a domingo (neste último, escrevi sobre o grande Rolando Boldrin, o "Sr.... Continue lendo
  • Última semana para a “reforma política”: eles só querem grana
    Acaba esta semana, no dia 7, o prazo para o Congresso Nacional terminar sua "reforma política" para que as mudanças propostas possam valer já na eleição de 2018. Como os dias úteis das excelências costumam terminar na quinta-feira, o tempo urge... Continue lendo
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • O fim e o início, um belo poema de Wislawa Szymborska 16/07/2018
    Depois de toda guerra alguém tem que fazer a faxina. As coisas não vão se ajeitar sozinhas. Alguém tem que tirar o entulho das ruas para que as carroças possam passar com os corpos. Alguém tem que abrir caminho pelo lamaçal e as cinzas, as molas dos sofás, os cacos de vidro, os trapos ensanguentados. Alguém tem que arrastar o poste para levantar a parede, al […]
    Antonio Mello
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Cannot load blog information at this time.

%d blogueiros gostam disto: