Varlam Shalamov

O impacto do Holocausto, do Gulag, de Hiroshima e Nagasaki, esmaeceu-se na agenda da cultura mundial. O que já pareceu ser um marco sobre a impossibilidade de novas ilusões e sobre o imperativo do princípio da preucaução foi digerido pela indústria cultural e pela força da vida que segue.
Ainda assim, lá estão os acontecimentos. Patrimônios da humanidade. Visitas sempre (ainda?) são possíveis. O escritor Varlam Shalamov viveu o gulag e é praticamente desconhecido no Brasil. Encontrei, por aqui, apenas uma referência a ele, feita pelo Ruy Fausto no Revista Fevereiro. Ele é o centro de um capítulo particularmente cáustico do livro “Cachorros de Palha” (John Gray, 2002): A MORTE DA TRAGÉDIA. Foi daí que fui buscar a história de Shalamov. Um mundo de possibilidades. Literatura afiada, contos curtos, estilo tchecoviano, polêmicas políticas e existenciais. Há vastos comentários em minha cabeça sobre Shalamov. Aqui, de prima, prefiro apresentar uma tradução googleana de um conto, Berries (retradução pois valho-me da tradução do russo para o inglês realizada por Robert Chandler e Wilkinson Nathan):

Cachos
Fadeyev disse: “Espere, eu mesmo vou falar com ele.” Ele veio até mim, colocou a coronha de seu rifle ao lado da minha cabeça.
Eu estava deitado na neve, segurando o galho que eu tinha deixado cair do meu ombro, incapaz de pegá-lo e retomar o meu lugar na fila de homens que desciam a montanha, cada um carregando em seu ombro “um pau de lenha” – às vezes um grande tronco, às vezes um menor. Todos eles – guardas e prisioneiros – estavam com pressa para voltar para casa, todos eles queriam comer e dormir, eles tiveram mais do que o bastante do dia de inverno sem fim. E lá estava eu – deitado na neve.
“Ouça, coroa”, disse Fadeyev. Ele continuou, dirigindo-se a mim, como se dirigia todos os prisioneiros, com a palavra polida, respeitosa para ‘você’. “Realmente não é possível que um gigante como você seja incapaz de carregar um tronco, ou mesmo um galho, tão pequeno quanto este. Você é claramente um embromador. Você é um fascista. Enquanto a nossa Mãe-Pátria combate o inimigo, você joga areia nas rodas.
‘Eu não sou fascista “, eu disse. “Eu sou um homem doente e com fome. Você é o fascista. Diz-se nos jornais como fascistas matam homens de idade. Pense no que você vai dizer para sua noiva – como você vai dizer a ela o que você fez em Kolyma ‘?
Era sempre o mesmo para mim. Eu não podia suportar o de bochechas rosadas, o saudável, o bem-alimentado, o bem-vestido, e eu não estava com medo. Eu me encurvei para proteger meu estômago, mas até isto foi apenas um movimento primitivo, instintivo – Eu não tinha o menor medo dos chutes no estômago. Fadeyev chutou-me as costas. Eu senti um repentino calor – nenhuma dor. Se eu morresse – tanto melhor.
“Ouça”, disse Fadeyev, quando ele me virou, minha face para o céu, com as pontas de suas botas. “Já me deparei com seu tipo antes, sim, eu tenho trabalhado com pessoas como você.”
Veio outro guarda – Seroshapka.
“Vamos te olhar bem – para que eu possa me lembrar de você. Você é uma espécie sórdida, feio também. Amanhã eu mesmo vou atirar em você. Entendido?
“Entendido”, eu disse, me levantando e cuspindo saliva salgada e sangrenta.
Comecei a arrastar o tronco ao longo do chão, ao som de brados, gritos e maldições de meus companheiros – enquanto eu estava sendo espancado, eles estavam congelando.
Na manhã seguinte, Seroshapka nos levou para trabalhar na floresta que havia sido derrubada um ano antes: fomos para recolher tudo o que poderia ser queimado nos fogões de ferro naquele inverno. Florestas foram sempre cortadas no inverno – as árvores eram altas. Nós as abatíamos, as serrávamos e as amontoávamos em pilhas.
Seroshapka marcou os limites da zona proibida, pendurando bandeiras – tranças de grama seca amarela e cinza- sobre as poucas árvores que restaram em torno de onde estávamos trabalhando.
Nosso líder de brigada acendeu um fogo para Seroshapka em um pequeno outeiro – apenas guardas tinham direito a um fogo enquanto trabalhavam – e trouxe-lhe uma provisão de madeira.
A neve no chão há muito tempo havia sido espalhada pelos ventos. A fria grama revestida de gelo escorregava por entre os seus dedos, mudando de cor quando tocada por uma mão humana. Congelando lentamente nas elevações estavam pequenos arbustos de rosas bravas da montanha [dog roses, rosas-de-cão], o perfume de suas geladas bagas escuro-roxo era extraordinário. Ainda mais saboroso do que os cinórrodos [rosehips, fruto da rosa-de-cão] era o foxberry, beliscado pela geada, mais que maduro, de cor cinza pálida (dove gray). . . Na ramagem, pequenos galhos retos penduravam whortleberries – azul brilhantes, enrugados como bolsas de couro vazias, mas que ainda preservam dentro de si um escuro suco  bluey-black , cujo gosto era inefável.
Berries nesta época do ano, mordidas pela geada, são bem diferentes das bagas em seu auge, das bagas da estação suculenta. O seu sabor é muito mais sutil.
Rybakov, meu camarada, estava coletando frutas em uma lata de alumínio durante nossos intervalos para fumar e até mesmo em momentos em que Seroshapka estava olhando para o outro lado. Se ele levasse uma lata cheia, guardas do destacamento de cozinha lhe dariam um pouco de pão. O empreendimento de Rybakov logo tornou-se uma questão de grande importância.
Eu não tinha este tipo de clientes e eu mesmo comia as bagas, com cuidado e pressionando avidamente cada baga contra o céu da minha boca com a língua – por um momento o suco doce perfumado da baga esmagada era estonteante.
Eu não pensava em ajudar Rybakov, nem ele queria a minha ajuda – pois então ele teria que dividir o pão.
A lata de Rybakov se enchia muito lentamente, as bagas foram ficando mais escassas e mais escassas e, sem perceber, tínhamos atingido os limites da zona – as bandeiras estavam penduradas sobre nossas cabeças.
“Olhe!” Eu disse a Rybakov. “É melhor a gente voltar.”
Mas nas elevações à frente de nós estavam rosehips e whortleberries e foxberries. . . Nós tínhamos visto estas elevações há muito tempo. A árvore com a marcação deveria estar a menos de dois metros à frente.
Rybakov apontou para sua lata, que ainda não estava completa, e para o sol, agora mergulhando em direção ao horizonte, e lentamente começou a se aproximar dos frutos encantados.
Houve o estalar seco de um tiro, e Rybakov caiu de bruços entre as elevações. Brandindo seu rifle, Seroshapka gritou: ‘Deixe-o onde ele está. Não chegue perto dele! ”
Seroshapka trabalhou a mira e atirou novamente. Nós sabíamos o que este segundo tiro significava. Seroshapka sabia também. Tem de haver sempre dois tiros – o primeiro é um aviso.
Estendido lá entre as elevações, Rybakov pareceu inesperadamente pequeno. O céu, as montanhas e o rio eram enormes – Deus sabe quantas pessoas essas montanhas poderiam manter, jazidas sobre os caminhos entre os pequenos montículos.
A pequena lata de Rybakov tinha rolado um longo caminho, consegui apanhá-la e escondê-la em um bolso. Talvez eu trocasse um pouco de pão por estas bagas – Eu sabia, afinal, para quem Rybakov as tinha vindo recolher.
Seroshapka calmamente perfilou o nosso pequeno destacamento, contou-nos e deu a ordem para disparar de volta para casa.
Ele bateu-me no ombro com a ponta de seu fuzil, e eu virei:
“Era você que eu queria”, disse Seroshapka. “Mas você não cruzou a linha, seu desgraçado.”
Escrito em 1959, publicado pela primeira vez em 1973
Traduzido por Robert Chandler e Wilkinson Nathan
Contos Russos de Pushkin a Buida (Penguin Classics 2007)

Publicado em Notícias
2 comentários em “Varlam Shalamov
  1. […] Outras fontes para pesquisa;Blog Da Rússia de José Milhazes Blog Caminhos da Memória Blog TiVi Brasil […]

  2. teor CRÍTICO disse:

    […] Outras fontes para pesquisa;Blog Da Rússia de José Milhazes Blog Caminhos da Memória Blog TiVi Brasil […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Ordem no cabaré 23/09/2017
    Arnaldo César (*) Gostem ou desgostem, o recado está dado: Ou, o executivo, o legislativo e o judiciário tomam tenência na vida e acabam com essa […] O post Ordem no cabaré apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Práticas espúrias do Congresso no banco dos réus 22/09/2017
    Marcelo Auler Pode parecer mais uma atividade de denúncia do nosso sistema político espúrio, corrupto e, para muitos, falido. Mas, a realização da 4ª Sessão do […] O post Práticas espúrias do Congresso no banco dos réus apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Nova denúncia contra Temer: vale a pena ver tudo de novo?
    É como reprise de novela: você já conhece o elenco, a trama e o final. Os personagens são os mesmos. Vale a pena ver tudo de novo? A partir desta segunda-feira, a Câmara deixa tudo de lado para julgar a nova denúncia apresentada pela PGR contra o... Continue lendo
  • Dorival erra feio nas substituições e estraga festa no Morumbi
    Tinha tudo para ser uma grande festa Tricolor no Morumbi lotado por mais um público recorde na manhã deste domingo. Até a metade do segundo tempo, o São Paulo vinha fazendo sua melhor partida sob o comando de Dorival Júnior, dominava completamente... Continue lendo
  • Brasil começa a crer que sofreu golpe de Estado 25/09/2017
    Foi quase de enlouquecer ter visto o povo brasileiro apoiando a derrubada de um governo que era a única coisa que defendia esse mesmo povo da sanha saqueadora dos tucanos e dos peemedebês. Os brasileiros conscientes sofremos essa tortura. Pela pátria. Mas começamos a ser redimidos. Já não era sem tempo...
    eduguim
  • Desigualdade, desemprego e violência: Assim é o país do ajuste fiscal de Meirelles 25/09/2017
    Programa de reformas do ministro da Fazenda é voltado a 0,2% da população, agrava disparidades sociais e econômicas e pretende promover um retorno ao período anterior a 1930. Samuel Pinheiro Guimarães, via RBA em 17/9/2017 1) O programa econômico do senhor Henrique Meirelles, atual ministro da Fazenda; ex-presidente do BankBoston entre 1996 e 1999 e […] […]
    bloglimpinhoecheiroso
  • Membro do MBL que pintou muro de Doria ganha boquinha na prefeitura 25/09/2017
    João Doria (PSDB) contratou um integrante do MBL (Movimento Brasil Livre) que ajudou a apagar uma pichação feita por manifestantes na casa do prefeito, nos Jardins (zona oeste de SP). O gesto mostra... Blog de política Brasil. Os amigos do Presidente Lula
    noreply@blogger.com (Helena™)
  • Ipsos: cai desaprovação a Lula e sobe rejeição a Moro e Bolsonaro 25/09/2017
    O ex-presidente Lula teve seu índice de desaprovação reduzido e sua taxa de aprovação ampliada em setembro na comparação com o mês anterior, segundo o mais recente Barômetro Político, pesquisa mensal... Blog de política Brasil. Os amigos do Presidente Lula
    noreply@blogger.com (Helena™)

Parece que o URL do site WordPress foi configurado incorretamente. Verifique o URL nas configurações do widget.

%d blogueiros gostam disto: