Se era para isso, para que tudo aquilo?

Um amigo lá dos idos 1970 me fez a pergunta do título.

Ele não se conforma com quem, como eu, militou na esquerda contra a ditadura militar e hoje vota Dilma para presidente.

Para que os riscos e sacrifícios da luta contra a ditadura se os resultados são moderados em relação aos sonhos da nossa juventude? Sim, sim, muito melhores do que os resultados de FH, ele reconhece. Mas ainda pequenos frente à tragédia social brasileira, agora sou eu quem reconhece.

Uma resposta fácil seria invocar a frase de Pessoa: “Tudo vale a pena se a alma não é pequena”.

A frase solta não me conforta. Aliás, esta frase nunca deveria sair do poema de Pessoa.

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!

Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.

Quem quere passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

O início de “O Mar Portuguez” surpreende, onde não caberia, a princípio,  surpresa alguma, “Mar salgado”!, já tudo permitiria ao poema.  A pergunta “quanto do teu sal são lágrimas de Portugal?” vence qualquer resistência racionalista.

A frase, tornada clichê, é inepta fora da beleza do texto. Os riscos da empreitada lusitânia eram difíceis de mensurar sem a ela se expor, posso dizer em favor de Pessoa.  Nem tudo vale a pena, independente do tamanho da alma. Nem sempre. Principalmente quando já temos acúmulo de conhecimento suficiente para saber de alguns riscos trágicos ou para optarmos pelo princípio da precaução.

Lula deixa um país melhor para o seu (a sua, espero) sucessor(a). Um Estado mais capacitado para combater a corrupção, com o brilhante trabalho do Waldir Pires, continuado pelo Jorge Hage formatando a Controladoria Geral da União. Não há mais a figura do Engavetador Geral da República. A PF é mais atuante,  profissional e republicana.

O Governo Lula perseguiu a melhoria real da vida da maioria da população com tenacidade. Acertando ou errando, o fato é que a vida da maioria importava.

Dentro da pergunta há uma pressuposição errada. A pressuposição de que há uma teoria capaz de entender o sentido da história humana e, uma vez de posse dela,  guiar os homens e as mulheres para um fim supra-humano.

A questão aqui e agora é outra. É a de negociar com os diversos saberes, sentimentos e intuição de mais de 135 milhões de eleitores.

Tudo aquilo” se justifica pelo que era a ditadura e pelo que éramos então.

A jovem esquerda que lutou contra a ditadura não é a responsável direta pelo governo Lula. Como não era pelo governo Sarney,  Collor ou FH.

Responsável é o povo brasileiro, na sua maioria. Influenciado por um sistema de informação, pelo poder econômico, pela escolaridade, patati e patatá. Mas também pelo vexame do comunismo no mundo e pelas dificuldades do Estado de Bem Estar Social  resistir à nova manada dos egos neo-liberais.

Muitos de nós demos uma longa volta, da crítica ao “populismo” de Vargas, Jango e Brizola, influenciados por intelectuais da USP como o Weffort, até o voto pela continuidade do lulismo de resultados.

No caso, creio, valeu a pena.

A herança que deixamos é a de um país melhor.

Mesmo com o  “mensalão”? Lembro de alguém ter se referido ao governo Lula, por conta da narrativa da Globo & associados do caixa 2 petista,  como a maior derrota da esquerda. Porque seria desmoralizadora. Não deixaria lições. Tudo água abaixo, não ficaria pedra sobre pedra.

Ainda que Lula tivesse sido derrotado nas urnas em 2006, ou ainda que tivesse sofrido o impeachment em 2005, ainda que Dilma perca em 2010, nada disto era verdade.

O Brasil hoje é uma força no mundo a favor do estado de bem estar social, contra o egoísmo cego da riqueza fictícia.

Não vieram para os nossos ombros o peso de nada parecido com o stalinismo, nem com a sangrenta derrota do Chile, tampouco com a debácle econômica ou social.

As novas gerações de brasileiros são mais livres para encontrarem caminhos razoáveis para uma vida melhor para todos.

Encontrarão? Difícil saber.

O medo, o ódio e o preconceito de uma velha classe média apavorada com a subida dos de baixo é visível e barulhenta.

Não identificar as batalhas reais em curso pode manter a paz da consciência de quem se julga capaz de resolver os problemas de forma mais rápida e eficaz, não fosse pelo pequeno detalhe da falta de votos.

Não me iludo, não se iluda, tudo agora mesmo pode estar por um segundo. Voto Dilma, voto Lula.

Publicado em Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Lava Jato: irregularidades debaixo do tapete 18/09/2017
    Marcelo Auler Ao entender que não há elementos suficientes que provem a materialidade do crime de falsidade ideológica no Inquérito Policial (IPL) 01/2017-COAIN/COGER (autos 5003191-72.2017.404.7000) e […] O post Lava Jato: irregularidades debaixo do tapete apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Gilberto Carvalho: “eleições sem Lula, vai ter guerra” 14/09/2017
    Marcelo Auler “Não vamos brincar com esta história de ter eleição no ano que vem sem o Lula. Não vai ser assim. Não pensem eles que […] O post Gilberto Carvalho: “eleições sem Lula, vai ter guerra” apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Um novo general Mourão bomba nas redes sociais
    Calma, não há sinais de tropas, tanques e fuzis nas ruas. Mais do que o ataque de um militar da ativa à democracia, o primeiro desde o fim da ditadura em 1985, assustadora foi a repercussão do discurso-bomba do general Antonio Hamilton Martins... Continue lendo
  • Advogado viajou e STF adia decisão sobre prisão de Aécio
    Rodrigo Janot já deixou a Procuradoria-Geral da República e Raquel Dodge foi empossada pelo presidente Michel Temer na manhã desta segunda-feira, mas o STF ainda não julgou os três pedidos de prisão feitos contra o senador Aécio Neves,... Continue lendo
  • Ironia poética: general diz que milicos darão golpe nos golpistas 19/09/2017
    Foi poeticamente irônica a fala do general da ativa que disse em evento reaça em Brasília que "o alto comando das Forças Armadas" planeja dar um golpe militar. Esse recado não foi para o PT, foi para Executivo, Legislativo e Judiciário, que relativizaram o voto popular ao aceitar ou promover o golpe contra Dilma. Agora, os golpistas colhem o fruto […]
    eduguim
  • Na mesa de posse de Raquel Dodge, só Cármen Lúcia não é investigada 19/09/2017
    Via Congresso em Foco em 18/9/2017 Em seu discurso de posse, no qual prometeu firmeza e coragem no combate à corrupção, a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, dividiu a mesa com três políticos suspeitos do crime que pretende enfrentar: os presidentes da República, Michel Temer (PMDB), da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), e do Senado, […]
    bloglimpinhoecheiroso
  • Essa agora: Geddel diz que sofre ameaça de estupro na Papuda e quer ir pra casa 14/09/2017
    Que Geddel, o homem das malas e caixas com R$ 51 milhões de propina em casa, iria armar alguma para sair da Papuda e ficar em casa numa prisão domiciliar refrigerada a gente já sabia. Mas a desculpa que ele arranjou foi demais:A defesa de Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) alegou risco de “estupro” na Penitenciária da Papuda, local em que o ex-ministro está recolh […]
    Antonio Mello
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • This Year's Poverty Data Looks a Lot Different When You Break It Down by Race
    Last week's Census release of data on income, poverty, and health insurance demonstrated two things: There are policies that work for people who are struggling, and there is still a lot of work left to do -- especially for people of color in America. It is encouraging that the people who saw the worst losses in the years since the Great Recession -- spe […]
  • Can Trump Pardon Himself and His Children?
    Was it legal for Ronald Reagan to pardon George Steinbrenner? Was it legal for Richard Nixon to pardon Jimmy Hoffa? Was it legal for Bill Clinton to pardon Patty Hearst? Yes, yes and yes. Yet presidential pardon power is vast, but not limitless. As the Department of Justice makes crystal clear, the presidential pardon power does not extend to crimes that vio […]

Parece que o URL do site WordPress foi configurado incorretamente. Verifique o URL nas configurações do widget.

%d blogueiros gostam disto: