Vivo e Morto na social democracia – Parte 2

Não por acaso a social-democracia e o Estado de bem-estar social tem  melhor desempenho em países pequenos e homogêneos, onde questões de desconfiança e suspeita mútua não surgem de forma tão aguda. A disposição para pagar por serviços e benefícios de outras pessoas se assenta no entendimento de que eles, por sua vez, farão o mesmo para você e seus filhos: porque eles são como você e veem o mundo como você.

Inversamente, quando a imigração e minorias visíveis  alteram a demografia de um país, geralmente constatamos a suspeita em relação aos outros aumentada e uma perda de entusiasmo para as instituições do Estado de Bem Estar Social. Finalmente, é indiscutível que a social-democracia e os Estados de bem-estar enfrentam sérios desafios práticos hoje. A sua sobrevivência não está em causa, mas eles já não são tão auto-confiante como já foram.

Mas a minha preocupação hoje é a seguinte: Porque é que aqui nos Estados Unidos, temos tanta dificuldade de até para imaginar um tipo diferente de sociedade a partir da uma cujas disfunções e desigualdades nos causam tantos problemas? Parece que perdemos a capacidade de questionar o presente e mais ainda de oferecer alternativas a ele. Por que está tão além de nós conceber um conjunto diferente de regras mais vantajoso para o bem comum?

Nosso lacuna -perdoem o jargão acadêmico – é discursiva. Nós simplesmente não sabemos como falar sobre essas coisas. Para entender o porque disto, um pouco de história é necessária: como Keynes observou certa vez: “Um estudo da história da opinião é uma condição prévia necessária para a emancipação da mente.” Para os efeitos da emancipação mental, esta noite, proponho que dediquemos um minuto para o estudo da história de um preconceito: o recurso universal contemporâneo ao “economicismo “,  a invocação da economia em todas as discussões das questões públicas.

Durante os últimos trinta anos, em grande parte do mundo de fala Inglês (embora menos na Europa continental e alguns outros lugares), quando nos perguntamos se apoiamos uma proposta ou iniciativa, nós não questionamos se ela é boa ou ruim. Em vez disso, perguntamos: É eficiente? É produtiva?Beneficiará o produto interno bruto? Será que vai contribuir para o crescimento? Esta propensão para evitar considerações morais, limitar-se a questões de lucros e perdas, a questões econômicas em sentido estrito, não é uma condição humana instintiva. É um gosto adquirido.

Já passamos por isto. Em 1905, o jovem William Beveridge,  cujo relatório de 1942 lançaria as bases do welfare state britânico, proferiu uma palestra na Universidade de Oxford em que ele perguntou por que razão a filosofia política havia sido obscurecida nos debates públicos pela economia clássica. A pergunta de Beveridge  se aplica com igual força hoje. Note, entretanto, que esse eclipse do pensamento político não guarda qualquer relação com os escritos dos grandes economistas clássicos. No século XVIII, o que Adam Smith chamou “sentimentos morais”, eram prioritários nas conversas economicas.

Na verdade, o pensamento de que poderíamos restringir considerações de política pública a um simples cálculo econômico é uma fonte de preocupação que vem de longe. O marquês de Condorcet, um dos escritores mais perceptivos sobre o capitalismo comercial em seus primeiros anos, antecipou com aversão a perspectiva de que “a liberdade não existirá mais, aos olhos de uma nação ávida senão pela condição necessária à segurança das operações financeiras “. As revoluções da época arriscaram promover uma confusão entre a liberdade de fazer dinheiro … e a própria liberdade. Mas como é que nós, na nossa época, chegamos a pensar exclusivamente em termos econômicos? O fascínio por um vocabulário econômico empalidecido  não veio do nada.

Pelo contrário, vivemos à sombra de um debate com o qual a maioria das pessoas não está familiarizada. Se perguntarmos quem exerceu a maior influência sobre o pensamento econômico contemporâneo de língua inglesa, cinco pensadores estrangeiros vem à mente: Ludwig von Mises, Friedrich Hayek, Joseph Schumpeter, Karl Popper, e Peter Drucker. Os dois primeiros foram os excelentes “avós” da Escola de Chicago de macroeconomia do livre mercado. Schumpeter é mais conhecido pela sua descrição entusiasta do poder “criativo, destrutivo” do capitalismo, Popper para sua defesa da “sociedade aberta” e sua teoria do totalitarismo. Quanto a Peter Drucker, seus escritos sobre a gestão exerceu enorme influência sobre a teoria e a prática dos negócios nas décadas de prosperidade do boom do pós-guerra.

Três desses homens nasceram em Viena, um quarto (von Mises) na austríaca Lemberg (atualmente Lvov), o quinto (Schumpeter), na Morávia, algumas dezenas de quilômetros ao norte da capital imperial. Todos estavam profundamente abalados pela catástrofe das guerras que assolaram a sua Áustria natal. Na sequência do cataclismo da Segunda Guerra Mundial e uma breve experiência socialista  municipal em Viena, o país sucumbiu a um golpe reacionário, em 1934 e, em seguida, quatro anos mais tarde, a invasão e a ocupação nazista.

Todos foram forçados ao exílio por esses eventos e todos -Hayek em particular-  desenvolveram seus escritos e ensinamentos à sombra da questão central de sua vida: Por que a sociedade liberal ruiu e deu lugar, pelo menos no caso austríaco, ao fascismo? Resposta deles: as tentativas fracassadas da esquerda (marxista) de introduzir na Áustria pós-1918 o planejamento direcionado pelo estado , serviços municipalizados e atividade econômica coletivizada não só tinha se mostrado ilusória, mas levou diretamente a uma contra-reação.

A tragédia européia tinha assim sido provocada pelo fracasso da esquerda: em primeiro lugar para atingir os seus objetivos e, em seguida, para defender sua herança liberal. Cada um deles, embora com contrastes importantes, chegou à mesma conclusão: a melhor maneira de defender o liberalismo, a melhor defesa de uma sociedade aberta e suas correspondentes liberdades, seria manter o governo longe da vida econômica. Se o estado for mantido a uma distância segura, se os políticos, por mais bem intencionadas, forem impedidos de planejar, manipular, ou dirigir os assuntos de seus concidadãos, então os extremistas tanto de direita quanto de esquerda  ficariam escanteados.

O mesmo desafio – como entender o que havia acontecido entre as guerras e evitar a sua repetição – foi confrontado por John Maynard Keynes. O grande economista Inglês, nascido em 1883 (mesmo ano que Schumpeter), cresceu na estável, confiante, próspera e poderosa Grã-Bretanha. E então, do seu assento privilegiado no Tesouro e como participante nas negociações de paz de Versalhes, viu seu mundo desmoronar, levando com ele todas as certezas tranquilizadoras de sua cultura e de sua classe. Keynes, também, perguntaria a si mesmo a pergunta que Hayek e seus colegas austríacos tinham colocado. Mas ele ofereceu uma resposta muito diferente.

A continuar…

Publicado em Notícias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Auto-proclamado vítima de armação, Aécio diz que Lula tem de "responder para a Justiça"
    Categoria:  Eleições Foto: PSDB       Jornal GGN - O senador Aécio Neves disse ao Estadão deste domingo (17) que, em função do que Lula representou para o País, não torce para que ele seja preso. Mas afirmou que o petista "tem de responder para a Justiça". O tucano disse que, na Lava Jato, é preciso separar o joio do trigo: quem lesou os cofres púb […]
  • Filósofa Marilena Chauí é a nova professora emérita da FFLCH-USP
    Categoria:  Educação Sugestão de Gilberto Cruvinel Outorga do Título de Professora Emérita à Marilena de Souza Chauí Da FFLCH-USP Durante seu discurso de agradecimento, a docente também proferiu uma aula sobre autoritarismo, defesa da universidade pública e concepção da docência Em sessão solene realizada no dia 13 de dezembro, às 14h, na Sala do Conselho Un […]
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • A despedida do Balaio do Kotscho
    Adeus, amigos. Chegou a hora da despedida do Balaio do Kotscho aqui no R7, que publicou meu blog desde 2011. Foram quase seis anos e meio de convívio quase diário, de domingo a domingo (neste último, escrevi sobre o grande Rolando Boldrin, o "Sr.... Continue lendo
  • Última semana para a “reforma política”: eles só querem grana
    Acaba esta semana, no dia 7, o prazo para o Congresso Nacional terminar sua "reforma política" para que as mudanças propostas possam valer já na eleição de 2018. Como os dias úteis das excelências costumam terminar na quinta-feira, o tempo urge... Continue lendo
  • Político que não defender internet livre não se elege 16/12/2017
    Trump acabou com a internet livre nos EUA. Agora, os americanos vão ter que pagar muito mais caro para poder acessar SÓ alguns conteúdos. Se não quiser que o mesmo aconteça no Brasil, comece a se mexer JÁ. Há um jeito muito simples de impedir que Temer venda seu pescoço. De novo! Clique na imagem, leia a matéria e divulgue até não poder mais. Enquanto dá tem […]
    eduguim
  • Para economizar, Banco Mundial quer que Temer acabe com o ensino superior gratuito 22/11/2017
    Via Estadão Conteúdo em 21/11/2017 Para cortar gastos sem prejudicar os mais pobres, o governo deveria acabar com a gratuidade do ensino superior. Essa é uma das sugestões apresentadas no relatório “Um ajuste justo – propostas para aumentar eficiência e equidade do gasto público no Brasil”, elaborado pelo Banco Mundial. A ideia é que o […]
    bloglimpinhoecheiroso
  • PF investiga relação entre Aécio Neves, Cabral e ex-secretário da Casa Civil do Rio 17/12/2017
    A Polícia Federal investiga as relações do senador tucano Aécio Neves (MG)  com integrantes de escritório alvo na Lava Jato por fazer parte do esquema do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ).... Blog de política Brasil. Os amigos do Presidente Lula
    noreply@blogger.com (Helena™)
  • Citados por propina devem responder apenas por caixa dois 17/12/2017
    Quase metade dos políticos acusados de serem beneficiados pelo departamento de propina da Odebrecht poderão responder por um crime considerado menor: o de falsidade ideológica eleitoral, mais... Blog de política Brasil. Os amigos do Presidente Lula
    noreply@blogger.com (Helena™)
  • Dispelling the Myths Behind "Bathroom Bills" and Other Forms of Transphobia
    Common and harmful misconceptions about trans and gender-nonconforming people are dismantled in the book "You're in the Wrong Bathroom!" The authors tell Truthout why they wanted to write a book that could enable allies to educate themselves, why no community is a monolith, and why they believe that understanding the origins of myths is " […]
  • A Killer Cop Gets Away With an Execution
    Like what you're reading? Help Truthout publish more articles like this one by donating now! Maybe it shouldn't be surprising anymore. A cop murders a sobbing, unarmed man as he's sprawled on the ground, begging not to be shot. This is one of the rare police killings where an officer was actually charged with a crime. But in the end, he was ac […]

Parece que o URL do site WordPress foi configurado incorretamente. Verifique o URL nas configurações do widget.

%d blogueiros gostam disto: