Vivo e Morto na social democracia – Parte 2

Não por acaso a social-democracia e o Estado de bem-estar social tem  melhor desempenho em países pequenos e homogêneos, onde questões de desconfiança e suspeita mútua não surgem de forma tão aguda. A disposição para pagar por serviços e benefícios de outras pessoas se assenta no entendimento de que eles, por sua vez, farão o mesmo para você e seus filhos: porque eles são como você e veem o mundo como você.

Inversamente, quando a imigração e minorias visíveis  alteram a demografia de um país, geralmente constatamos a suspeita em relação aos outros aumentada e uma perda de entusiasmo para as instituições do Estado de Bem Estar Social. Finalmente, é indiscutível que a social-democracia e os Estados de bem-estar enfrentam sérios desafios práticos hoje. A sua sobrevivência não está em causa, mas eles já não são tão auto-confiante como já foram.

Mas a minha preocupação hoje é a seguinte: Porque é que aqui nos Estados Unidos, temos tanta dificuldade de até para imaginar um tipo diferente de sociedade a partir da uma cujas disfunções e desigualdades nos causam tantos problemas? Parece que perdemos a capacidade de questionar o presente e mais ainda de oferecer alternativas a ele. Por que está tão além de nós conceber um conjunto diferente de regras mais vantajoso para o bem comum?

Nosso lacuna -perdoem o jargão acadêmico – é discursiva. Nós simplesmente não sabemos como falar sobre essas coisas. Para entender o porque disto, um pouco de história é necessária: como Keynes observou certa vez: “Um estudo da história da opinião é uma condição prévia necessária para a emancipação da mente.” Para os efeitos da emancipação mental, esta noite, proponho que dediquemos um minuto para o estudo da história de um preconceito: o recurso universal contemporâneo ao “economicismo “,  a invocação da economia em todas as discussões das questões públicas.

Durante os últimos trinta anos, em grande parte do mundo de fala Inglês (embora menos na Europa continental e alguns outros lugares), quando nos perguntamos se apoiamos uma proposta ou iniciativa, nós não questionamos se ela é boa ou ruim. Em vez disso, perguntamos: É eficiente? É produtiva?Beneficiará o produto interno bruto? Será que vai contribuir para o crescimento? Esta propensão para evitar considerações morais, limitar-se a questões de lucros e perdas, a questões econômicas em sentido estrito, não é uma condição humana instintiva. É um gosto adquirido.

Já passamos por isto. Em 1905, o jovem William Beveridge,  cujo relatório de 1942 lançaria as bases do welfare state britânico, proferiu uma palestra na Universidade de Oxford em que ele perguntou por que razão a filosofia política havia sido obscurecida nos debates públicos pela economia clássica. A pergunta de Beveridge  se aplica com igual força hoje. Note, entretanto, que esse eclipse do pensamento político não guarda qualquer relação com os escritos dos grandes economistas clássicos. No século XVIII, o que Adam Smith chamou “sentimentos morais”, eram prioritários nas conversas economicas.

Na verdade, o pensamento de que poderíamos restringir considerações de política pública a um simples cálculo econômico é uma fonte de preocupação que vem de longe. O marquês de Condorcet, um dos escritores mais perceptivos sobre o capitalismo comercial em seus primeiros anos, antecipou com aversão a perspectiva de que “a liberdade não existirá mais, aos olhos de uma nação ávida senão pela condição necessária à segurança das operações financeiras “. As revoluções da época arriscaram promover uma confusão entre a liberdade de fazer dinheiro … e a própria liberdade. Mas como é que nós, na nossa época, chegamos a pensar exclusivamente em termos econômicos? O fascínio por um vocabulário econômico empalidecido  não veio do nada.

Pelo contrário, vivemos à sombra de um debate com o qual a maioria das pessoas não está familiarizada. Se perguntarmos quem exerceu a maior influência sobre o pensamento econômico contemporâneo de língua inglesa, cinco pensadores estrangeiros vem à mente: Ludwig von Mises, Friedrich Hayek, Joseph Schumpeter, Karl Popper, e Peter Drucker. Os dois primeiros foram os excelentes “avós” da Escola de Chicago de macroeconomia do livre mercado. Schumpeter é mais conhecido pela sua descrição entusiasta do poder “criativo, destrutivo” do capitalismo, Popper para sua defesa da “sociedade aberta” e sua teoria do totalitarismo. Quanto a Peter Drucker, seus escritos sobre a gestão exerceu enorme influência sobre a teoria e a prática dos negócios nas décadas de prosperidade do boom do pós-guerra.

Três desses homens nasceram em Viena, um quarto (von Mises) na austríaca Lemberg (atualmente Lvov), o quinto (Schumpeter), na Morávia, algumas dezenas de quilômetros ao norte da capital imperial. Todos estavam profundamente abalados pela catástrofe das guerras que assolaram a sua Áustria natal. Na sequência do cataclismo da Segunda Guerra Mundial e uma breve experiência socialista  municipal em Viena, o país sucumbiu a um golpe reacionário, em 1934 e, em seguida, quatro anos mais tarde, a invasão e a ocupação nazista.

Todos foram forçados ao exílio por esses eventos e todos -Hayek em particular-  desenvolveram seus escritos e ensinamentos à sombra da questão central de sua vida: Por que a sociedade liberal ruiu e deu lugar, pelo menos no caso austríaco, ao fascismo? Resposta deles: as tentativas fracassadas da esquerda (marxista) de introduzir na Áustria pós-1918 o planejamento direcionado pelo estado , serviços municipalizados e atividade econômica coletivizada não só tinha se mostrado ilusória, mas levou diretamente a uma contra-reação.

A tragédia européia tinha assim sido provocada pelo fracasso da esquerda: em primeiro lugar para atingir os seus objetivos e, em seguida, para defender sua herança liberal. Cada um deles, embora com contrastes importantes, chegou à mesma conclusão: a melhor maneira de defender o liberalismo, a melhor defesa de uma sociedade aberta e suas correspondentes liberdades, seria manter o governo longe da vida econômica. Se o estado for mantido a uma distância segura, se os políticos, por mais bem intencionadas, forem impedidos de planejar, manipular, ou dirigir os assuntos de seus concidadãos, então os extremistas tanto de direita quanto de esquerda  ficariam escanteados.

O mesmo desafio – como entender o que havia acontecido entre as guerras e evitar a sua repetição – foi confrontado por John Maynard Keynes. O grande economista Inglês, nascido em 1883 (mesmo ano que Schumpeter), cresceu na estável, confiante, próspera e poderosa Grã-Bretanha. E então, do seu assento privilegiado no Tesouro e como participante nas negociações de paz de Versalhes, viu seu mundo desmoronar, levando com ele todas as certezas tranquilizadoras de sua cultura e de sua classe. Keynes, também, perguntaria a si mesmo a pergunta que Hayek e seus colegas austríacos tinham colocado. Mas ele ofereceu uma resposta muito diferente.

A continuar…

Publicado em Notícias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Lava Jato: irregularidades debaixo do tapete 18/09/2017
    Marcelo Auler Ao entender que não há elementos suficientes que provem a materialidade do crime de falsidade ideológica no Inquérito Policial (IPL) 01/2017-COAIN/COGER (autos 5003191-72.2017.404.7000) e […] O post Lava Jato: irregularidades debaixo do tapete apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Gilberto Carvalho: “eleições sem Lula, vai ter guerra” 14/09/2017
    Marcelo Auler “Não vamos brincar com esta história de ter eleição no ano que vem sem o Lula. Não vai ser assim. Não pensem eles que […] O post Gilberto Carvalho: “eleições sem Lula, vai ter guerra” apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Um novo general Mourão bomba nas redes sociais
    Calma, não há sinais de tropas, tanques e fuzis nas ruas. Mais do que o ataque de um militar da ativa à democracia, o primeiro desde o fim da ditadura em 1985, assustadora foi a repercussão do discurso-bomba do general Antonio Hamilton Martins... Continue lendo
  • Advogado viajou e STF adia decisão sobre prisão de Aécio
    Rodrigo Janot já deixou a Procuradoria-Geral da República e Raquel Dodge foi empossada pelo presidente Michel Temer na manhã desta segunda-feira, mas o STF ainda não julgou os três pedidos de prisão feitos contra o senador Aécio Neves,... Continue lendo
  • Ironia poética: general diz que milicos darão golpe nos golpistas 19/09/2017
    Foi poeticamente irônica a fala do general da ativa que disse em evento reaça em Brasília que "o alto comando das Forças Armadas" planeja dar um golpe militar. Esse recado não foi para o PT, foi para Executivo, Legislativo e Judiciário, que relativizaram o voto popular ao aceitar ou promover o golpe contra Dilma. Agora, os golpistas colhem o fruto […]
    eduguim
  • Na mesa de posse de Raquel Dodge, só Cármen Lúcia não é investigada 19/09/2017
    Via Congresso em Foco em 18/9/2017 Em seu discurso de posse, no qual prometeu firmeza e coragem no combate à corrupção, a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, dividiu a mesa com três políticos suspeitos do crime que pretende enfrentar: os presidentes da República, Michel Temer (PMDB), da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), e do Senado, […]
    bloglimpinhoecheiroso
  • Essa agora: Geddel diz que sofre ameaça de estupro na Papuda e quer ir pra casa 14/09/2017
    Que Geddel, o homem das malas e caixas com R$ 51 milhões de propina em casa, iria armar alguma para sair da Papuda e ficar em casa numa prisão domiciliar refrigerada a gente já sabia. Mas a desculpa que ele arranjou foi demais:A defesa de Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) alegou risco de “estupro” na Penitenciária da Papuda, local em que o ex-ministro está recolh […]
    Antonio Mello
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • This Year's Poverty Data Looks a Lot Different When You Break It Down by Race
    Last week's Census release of data on income, poverty, and health insurance demonstrated two things: There are policies that work for people who are struggling, and there is still a lot of work left to do -- especially for people of color in America. It is encouraging that the people who saw the worst losses in the years since the Great Recession -- spe […]
  • Can Trump Pardon Himself and His Children?
    Was it legal for Ronald Reagan to pardon George Steinbrenner? Was it legal for Richard Nixon to pardon Jimmy Hoffa? Was it legal for Bill Clinton to pardon Patty Hearst? Yes, yes and yes. Yet presidential pardon power is vast, but not limitless. As the Department of Justice makes crystal clear, the presidential pardon power does not extend to crimes that vio […]

Parece que o URL do site WordPress foi configurado incorretamente. Verifique o URL nas configurações do widget.

%d blogueiros gostam disto: