Paulo Renato Souza, a diferança

Toda vez que você achar que o governo Lula é muito parecido com o governo dos tucanos, sugiro que leia Paulo Renato Souza.

Ás vezes acontece comigo. Ler Paulo Renato Souza tem um efeito ‘memoriol’.

Hoje, 22/03, ele pontifica no Estadão que a crise no Brasil se deve aos gastos previdenciários e às contratações e aumentos dos servidores públicos.

Qual a alternativa? Para diminuir os gastos previdenciários, de forma significativa, só diminuindo o salário mínimo.

Para o serviço público ele deve gostar do modelo anterior das terceirizações, do esvaziamento e privatização do Estado.

Um dos aspectos importantes na estratégia do esvaziamento do Estado pode ser encontrado na privatização da Vale.

Deixa de fazer investimentos necessários para o crescimento da empresa, sucateia e privatiza.

Não foi o que fizeram com a Vale?

É fácil achar na internet artigos de Paulo Renato  Souza defendendo os critérios de avaliação do valor da Vale. Trabalho realizado por empresa ligada ao grupo Bradesco que depois foi quem liderou a compra.

Por coincidência(?), também foi ao presidente do Bradesco que Paulo Renato Souza submeteu à apreciação um artigo escrito para a Folha de São Paulo… um artigo que criticava a compra do BESC pelo Banco do Brasil.

 “Em anexo, vai o artigo revisto. Procurei colocá-lo dentro dos limites do espaço da Folha. Por favor, veja se está correto e se você concorda, ou tem alguma observação. Muito obrigado, Paulo Renato Souza”.

O título do artigo? “Tentáculos da reestatização”.

Efeitos secundários do memoriol. A política externa.

Se ele vier para o Brasil será enquadrado nos dispositivos legais e passará a responder pelo que fez. São pelo menos 28 anos de condenação à revelia”.

O autor da ameaça, em 1977, era o assessor de imprensa do Itamaraty, Luis Felipe Lampreia. Seria promovido a Ministro das Relações Exteriores por FHC.

O “criminoso” que ele não queria deixar entrar no Brasil era o engenheiro Leonel de Moura Brizola, abruptamente expulso do Uruguai . A declaração, registrada no JB (20/09/77), servia aos interesses golpistas da linha dura militar contra a abertura política no Brasil.

Jimmy Carter concedeu asilo a Brizola. Um tapa com luva de pelica nas ditaduras sul-americana.

Lampreia continua por aí, no Globo, a criticar a política externa do atual governo brasileiro. Tem horror a Lula, Chavéz e Morales.

Entrevista no JB de hoje com Marco Aurélio Garcia:

Muitos avaliaram positivamente o encontro do presidente Lula com Barack Obama. Alguns citaram o papel do brasileiro como fiador da aproximação dos EUA com a América Latina. Mas houve quem dissesse que os resultados não foram práticos. Entre as duas análises, onde o senhor fica?

O presidente Lula não esteve lá como representante da América Latina. O Brasil não tem esse mandato e, caso ele se apresentasse dessa forma, estaria usurpando um direito internacional. Evidentemente Lula tem o sentimento muito forte da realidade latino-americana. Agora mesmo, com a perspectiva da reunião do G-20, tem consultado muitos presidentes. Mas seria impertinente e arrogante, da parte do Brasil, arvorar-se de uma condição de líder da região. Não é essa a preocupação. É evidente que a reunião com Obama tratou de temas latino-americanos. Eu diria que se centrou em três grandes assuntos. Um deles, a crise, foi o tema dominante no Salão Oval. Depois, no tête-à-tête que os dois tiveram, Lula falou um pouco sobre a situação brasileira, Obama falou sobre a situação americana e ambos examinaram questões mais gerais que afetam o mundo inteiro. Houve, também, uma discussão sobre temas latino-americanos.

E sobre a América Latina, o que o presidente falou especificamente para Obama?

O fundamental colocado pelo presidente Lula é que houve um grande progresso na América Latina. Um progresso de natureza democrática. Uma preocupação grande de enfrentar de forma positiva as questões econômicas e sociais. Foi explicado o crescimento que a região tem tido nos últimos anos e que os EUA deveriam procurar relacionar-se com essa América Latina de uma forma distinta de outros momentos históricos. Usou explicitamente estas palavras: “não-ingerência” e “cooperação”. Nesse cenário mais amplo foi que apareceu o problema de Cuba. Temos dito que Cuba é vista pelos países da região de forma diferenciada. Os EUA têm interesses econômicos em Cuba. E Cuba, vendo-se livre do bloqueio, poderá explorar uma série de potencialidades que têm mas que hoje são de difícil materialização.

A mudança com Cuba seria a principal alteração de rota dos EUA com um governo Obama frente à América Latina?

Não. Em primeiro lugar vêm os grandes temas econômicos. O mundo está fortemente pendente das mudanças que vão ser feitas na área econômica. Isso aí é indiscutível, porque da reanimação da economia norte-americana dependerá muito a reanimação de várias economias do continente. No caso brasileiro, claro, gostaríamos que os EUA estivessem melhor para suportar mais, ter mais fluxo de investimentos, ter mais crédito no mercado. Já estão começando a melhorar um pouquinho. Acho que os EUA têm complexas equações econômicas para resolver.

Uma dessas equações complexas é o comércio. Há uma grande expectativa de passarmos a um ambiente menos protecionista e de maior cooperação. O governo tem que expectativa em relação a isso?

O governo brasileiro investiu fortemente, até o ano passado, na conclusão da Rodada de Doha (de liberalização do comércio). Estivemos próximos, mas havia alguns empecilhos. Aí a coisa foi para trás. Há opiniões de que a Rodada não resolve os problemas, que hoje é muito difícil de se completar, porque as situações recessivas são situações que suscitam o protecionismo. Os EUA têm medidas protecionistas em matéria de subsídios de agricultura, barreiras ao etanol, coisas desse tipo. São discussões que terão de ser feitas no decorrer do tempo.

E quais são as outras questões importantes a que o senhor se referiu?

Há outras questões internacionais cruciais para os EUA: o Oriente Médio, aí incluindo Iraque, Palestina e Irã. Há também o Afeganistão, o problema das relações com a Rússia, com a China, com a Europa. Enfim, não é à toa que eles têm 15 mil diplomatas – nós temos aqui menos de 1.500 (risos).

Os norte-americanos veem na região dois tipos de governos de esquerda. Um lado mais radical, envolvendo Hugo Chávez, Evo Morales e Rafael Correa. Outro mais moderado, com o presidente Lula à frente. E Lula seria um mediador da aproximação entre EUA e essa esquerda radical. Haverá uma distensão maior nesse relacionamento?

Há tantas esquerdas quantas unidades nacionais existirem. Isso é muito fácil de mostrar, é só não ter preguiça e analisar as situações históricas. Por que o fenômeno Chávez ocorre? Ocorre depois de uma crise de 20 anos no sistema político e econômico venezuelano. É interessante observar que, já nos anos 50 e 60, Celso Furtado criticava o modelo econômico venezuelano. Esse modelo foi o suporte material em torno do qual se assentou aquele sistema bipartidário e que levou a uma desagregação nos anos 90, cujo resultado final foi a eleição de Chávez. A Bolívia é outro caso. As pessoas falam da instabilidade boliviana. Nos quatro primeiros anos do governo Lula, estive 12 ou 13 vezes na Bolívia e encontrei quatro presidentes diferentes. Isso é que é instabilidade. O Equador teve oito presidentes em 10 anos. São situações completamente diferentes. No Uruguai há uma experiência mais próxima da brasileira. A Frente Ampla tem algo a ver com o PT porque lá, pelo menos, eles se institucionalizaram. E a nossa experiência é também original porque é tardia. Tínhamos uma esquerda muito frágil até os anos 80. Num determinado momento tivemos o Partido Comunista, que depois se descompôs. Tivemos os grupos armados, que foram massacrados e deixaram muita coisa além de uma herança moral e política. O PT é um fenômeno tardio. É bobagem querermos estabelecer parâmetros.

Mas as comparações são inevitáveis. Há diferenças na ação de governo e nos discursos.

A radicalidade maior ou menor está ligada a circunstâncias históricas. Às vezes são situações mais radicais, não é o discurso que é radical. Talvez, com outro tipo de discurso, aquele projeto não pudesse prosperar. Qual foi a sabedoria do presidente Lula? Sem ser um grande teórico, entendeu diferenças e procurou estabelecer com os países boa relação. E disse: “Olha, por cima das nossas diferenças, que talvez sejam grandes, existe um objetivo a ser atingido, que é o objetivo da integração”.

E no Brasil, há politização na análise da política externa brasileira? Há uma ideologização?

Claro. Credita-se um componente ideológico como se as opiniões sobre esse componente ideológico não fossem elas também profundamente ideológicas. O fato de eu ser ligado a um partido político não me libera para procurar impor uma ideologia particular à minha conduta no aparelho do Estado. Não é o fato de o ministro Celso Lafer (ministro das Relações Exterior de FHC) ser filiado ao PSDB que vai me obrigar a dizer que o Brasil teve uma diplomacia tucana no governo anterior. O que estamos procurando é defender o interesse nacional e determinados princípios gerais da política. Um dos princípios que introduzimos com muita força foi perseguir com grande insistência a integração da região. Nós achamos que o destino do Brasil está muito vinculado ao destino da região. Temos um problema complicado, que é uma região ainda pobre e muito desigual. Esses problemas têm de ser enfrentados.

O senhor acha que há uma má vontade da imprensa em relação à política externa, ao senhor e ao governo?

Não gosto muito de falar sobre a imprensa. Embora eu tenha opiniões bem formadas. A imprensa pode falar mal de você, mas você não pode falar mal da imprensa. A imprensa não quer ser somente um quarto poder, ela quer ser o primeiro. Há duas coisas aí. Ouço rádio, leio oito jornais por dia e vejo bastante televisão. Tem muita gente que desinforma. A pessoa pode desinformar por duas razões. Ou ela não está informada, então é de certa maneira inocente. Ou pode querer desinformar porque está informada, mas não quer informar bem. Acho que existem os dois casos. Existe outra parte da imprensa que hoje se arvora uma função político-partidária. Isso não é um fenômeno novo. Esse fenômeno já foi detectado, em 1851, na França, por um analista ilustre da vida francesa naquela época, que atribuía a determinados órgãos de imprensa, um deles em particular, uma função partidária (risos).

Victor Hugo dizia que os jornalistas eram os espadachins da reputação alheia.

– Pois é. Mas aqui, mais do que isso, alguns órgãos de comunicação pretendem ser o comitê central da oposição. E, como todo bom comitê central, no velho estilo comunista, tem que ter também um departamento de imprensa e propaganda.

Entrevistar já tá bão

Embora de bom humor, um pequeno lamento: O repórter podia fazer umas perguntas mais interessantes. Geopolítica, a questão da crise financeira, a relação sul-sul, os organismos internacionais (BID, Banco Mundial, FMI, OMC) tudo isso ficou de fora. Mas… só o fato de entrevistar já está de bom tamanho.

 

Publicado em Notícias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Lava Jato: irregularidades debaixo do tapete 18/09/2017
    Marcelo Auler Ao entender que não há elementos suficientes que provem a materialidade do crime de falsidade ideológica no Inquérito Policial (IPL) 01/2017-COAIN/COGER (autos 5003191-72.2017.404.7000) e […] O post Lava Jato: irregularidades debaixo do tapete apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Gilberto Carvalho: “eleições sem Lula, vai ter guerra” 14/09/2017
    Marcelo Auler “Não vamos brincar com esta história de ter eleição no ano que vem sem o Lula. Não vai ser assim. Não pensem eles que […] O post Gilberto Carvalho: “eleições sem Lula, vai ter guerra” apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Um novo general Mourão bomba nas redes sociais
    Calma, não há sinais de tropas, tanques e fuzis nas ruas. Mais do que o ataque de um militar da ativa à democracia, o primeiro desde o fim da ditadura em 1985, assustadora foi a repercussão do discurso-bomba do general Antonio Hamilton Martins... Continue lendo
  • Advogado viajou e STF adia decisão sobre prisão de Aécio
    Rodrigo Janot já deixou a Procuradoria-Geral da República e Raquel Dodge foi empossada pelo presidente Michel Temer na manhã desta segunda-feira, mas o STF ainda não julgou os três pedidos de prisão feitos contra o senador Aécio Neves,... Continue lendo
  • Ironia poética: general diz que milicos darão golpe nos golpistas 19/09/2017
    Foi poeticamente irônica a fala do general da ativa que disse em evento reaça em Brasília que "o alto comando das Forças Armadas" planeja dar um golpe militar. Esse recado não foi para o PT, foi para Executivo, Legislativo e Judiciário, que relativizaram o voto popular ao aceitar ou promover o golpe contra Dilma. Agora, os golpistas colhem o fruto […]
    eduguim
  • Na mesa de posse de Raquel Dodge, só Cármen Lúcia não é investigada 19/09/2017
    Via Congresso em Foco em 18/9/2017 Em seu discurso de posse, no qual prometeu firmeza e coragem no combate à corrupção, a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, dividiu a mesa com três políticos suspeitos do crime que pretende enfrentar: os presidentes da República, Michel Temer (PMDB), da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), e do Senado, […]
    bloglimpinhoecheiroso
  • Essa agora: Geddel diz que sofre ameaça de estupro na Papuda e quer ir pra casa 14/09/2017
    Que Geddel, o homem das malas e caixas com R$ 51 milhões de propina em casa, iria armar alguma para sair da Papuda e ficar em casa numa prisão domiciliar refrigerada a gente já sabia. Mas a desculpa que ele arranjou foi demais:A defesa de Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) alegou risco de “estupro” na Penitenciária da Papuda, local em que o ex-ministro está recolh […]
    Antonio Mello
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • This Year's Poverty Data Looks a Lot Different When You Break It Down by Race
    Last week's Census release of data on income, poverty, and health insurance demonstrated two things: There are policies that work for people who are struggling, and there is still a lot of work left to do -- especially for people of color in America. It is encouraging that the people who saw the worst losses in the years since the Great Recession -- spe […]
  • Can Trump Pardon Himself and His Children?
    Was it legal for Ronald Reagan to pardon George Steinbrenner? Was it legal for Richard Nixon to pardon Jimmy Hoffa? Was it legal for Bill Clinton to pardon Patty Hearst? Yes, yes and yes. Yet presidential pardon power is vast, but not limitless. As the Department of Justice makes crystal clear, the presidential pardon power does not extend to crimes that vio […]

Parece que o URL do site WordPress foi configurado incorretamente. Verifique o URL nas configurações do widget.

%d blogueiros gostam disto: