Procura-se

Garçom, desesperadamente

Garçons correm do trabalho para pegar a bolsa família. Foto: Laureano Bitencourt

 É a honra de um homem bom e honesto que está em jogo.

O senador Jarbas Vasconcellos declarou: “Há um restaurante que frequento há mais de 30 anos no bairro de Brasília Teimosa, no Recife. Na semana passada, cheguei lá e não encontrei o garçom que sempre me atendeu. Perguntei  ao gerente e descobri que ele conseguiu uma bolsa para ele e outra para o filho  e desistiu de trabalhar. Este é o retrato do bolsa família.”

Urariano Mota foi à favela Brasília Teimosa, em Recife, em busca do garçom citado pelo senador Jarbas Vasconcellos. O resultado foi uma imperdível reportagem da Carta Capital: “Garçom, procura-se”. Aliás, o repórter procurou tudo: o senador, o restaurante, o gerente, o garçom. Muito boa.

Uma nova capa, e alguma vergonha

E agora?

 

 

 

Setores do Goveno tucano do Rio Grande do Sul faziam gravações clandestinas com a finalidade de chantagear. Nada de novo, conforme  post anterior (Arapongagem). A novidade é a prova, que vem de dentro e gravada:

“O ex-ouvidor da Secretaria de Segurança Pública do RS  entregou, hoje à tarde, um CD com gravações de escutas telefônicas à direção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). As gravações, que teriam sido realizadas sem autorização judicial, envolvem integrantes do próprio governo e prefeituras. Paiani disse que elas trazem elementos que podem configurar crime contra a administração pública, favorecimento, tráfico de influência, crime eleitoral e violação do sistema de consultas da Secretaria de Segurança. A OAB anunciou que analisará o material neste final de semana e se pronunciará na segunda-feira”. Acompanhe no RS Urgente e saiba quem é o ex ouvidor do governo e qual a reação da governadora Cruzius

O Guardião, e alguma indignação

Confusa a matéria da FSP sobre a arapongagem da secretaria de segurança do Rio Grande do Sul.

grampo-yeda

‘um aparato clandestino de espionagem que funciona no governo’

‘Paiani -que é filiado ao PSDB- disse que “um assessor muito próximo da governadora” aparece nas ligações cometendo tráfico de influência e crime eleitoral’.

‘Os grampos foram feitos, segundo Paiani, por policiais que operam o sistema Guardião, o programa onde ficam armazenadas escutas feitas pela Secretaria da Segurança Pública, mas sem autorização judicial’.

Frases importantes no texto, que não mereceram manchete, destaque, explicação, nem são repercutidas pelos colonistas.

É mais um caso para análise de como a míida consegue diluir os fatos mais importantes, trazer para a manchete o secundário e não esclarecer o contexto.

Não parece ser culpa do repórter. Parece coisa de editor. Ao menos, a FSP apurou alguma coisa e traz um dado novo: um dos nomes envolvidos na espionagem é o chefe de gabinete da governadora.

Já O Globo, e provavelmente a TV Globo (não vi),  mantem o silêncio obsequioso de tudo que possa ser constrangedor para os tucanos gaúchos.  

Uma carta, que a folha não publica

Ivan Seixas, cujo pai foi “assassinado” com 24 horas de antecedência pelo jornal dos Frias, não consegue publicar sua carta na FSP.

Dá para encontrar, aqui

Uma desculpa para a mentira desmascarada

A Folha de São Paulo ainda não se desculpou pelo erro que o blog do Rodrigo Viana desmascarou: “Otavinho mentiu: Comparato criticou Cuba”

Alguma elegância na redação

DA REDAÇÃO [da Folha de São Paulo]

Por meio de seus advogados, os professores Fábio Comparato e Maria Victoria Benevides requerem a publicação das considerações abaixo a título de “direito de resposta” a declarações do diretor de Redação da Folha, Otavio Frias Filho, publicadas em 8 de março:

“Levar mais de duas semanas para reconhecer um desatino editorial (a classificação do regime militar brasileiro como “ditabranda’), imputando a responsabilidade pelo episódio ao teor de nossas críticas, não parece um comportamento compatível com a ética do jornalismo. Sempre sustentamos, sem precisar receber lições de ninguém, que as vítimas de regimes arbitrários, aqui e alhures, merecem igual proteção e respeito, sem desvios ideológicos ou idiossincrasias pessoais.”

Nota da Redação: O tratamento dado pela Folha ao uso da palavra “ditabranda” em editorial de 17 de fevereiro, com a publicação de diversas críticas e o reconhecimento da impropriedade do termo, é um exemplo de transparência editorial. Imaginava-se encerrado o episódio, mas os professores Comparato e Benevides estão empenhados em extrair dele o máximo rendimento possível. As opiniões de ambos sempre foram transmitidas pelo jornal, por meio de numerosos artigos, sem a necessidade de advogados. A “resposta” acima é publicada com base na Lei 5.250/67, editada pela ditadura militar, a fim de que vítimas de regimes cautelosamente chamados de “arbitrários” e vagamente situados “alhures” também se sintam destinatários dessa solidariedade envergonhada.”

Facilidades no Supremo, americano

 O Exemplo Castro Neves:

 Acusado de sonegação e outras fraudes nos EUA, o  piloto foi algemado, vai a júri e pode parar na cadeia.  Deve perguntar aos seus botões: por que não estou no  Brasil?
 Reportagem: Carta Capital

 

Decifrador de enigmas

Blogueiro da Folha é burro ou safado?

Decifre o enigma aqui

Se era niilista ou machista, já tinha sido decifrado aqui.

Publicado em Notícias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Lava Jato: irregularidades debaixo do tapete 18/09/2017
    Marcelo Auler Ao entender que não há elementos suficientes que provem a materialidade do crime de falsidade ideológica no Inquérito Policial (IPL) 01/2017-COAIN/COGER (autos 5003191-72.2017.404.7000) e […] O post Lava Jato: irregularidades debaixo do tapete apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Gilberto Carvalho: “eleições sem Lula, vai ter guerra” 14/09/2017
    Marcelo Auler “Não vamos brincar com esta história de ter eleição no ano que vem sem o Lula. Não vai ser assim. Não pensem eles que […] O post Gilberto Carvalho: “eleições sem Lula, vai ter guerra” apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Um novo general Mourão bomba nas redes sociais
    Calma, não há sinais de tropas, tanques e fuzis nas ruas. Mais do que o ataque de um militar da ativa à democracia, o primeiro desde o fim da ditadura em 1985, assustadora foi a repercussão do discurso-bomba do general Antonio Hamilton Martins... Continue lendo
  • Advogado viajou e STF adia decisão sobre prisão de Aécio
    Rodrigo Janot já deixou a Procuradoria-Geral da República e Raquel Dodge foi empossada pelo presidente Michel Temer na manhã desta segunda-feira, mas o STF ainda não julgou os três pedidos de prisão feitos contra o senador Aécio Neves,... Continue lendo
  • Ironia poética: general diz que milicos darão golpe nos golpistas 19/09/2017
    Foi poeticamente irônica a fala do general da ativa que disse em evento reaça em Brasília que "o alto comando das Forças Armadas" planeja dar um golpe militar. Esse recado não foi para o PT, foi para Executivo, Legislativo e Judiciário, que relativizaram o voto popular ao aceitar ou promover o golpe contra Dilma. Agora, os golpistas colhem o fruto […]
    eduguim
  • Na mesa de posse de Raquel Dodge, só Cármen Lúcia não é investigada 19/09/2017
    Via Congresso em Foco em 18/9/2017 Em seu discurso de posse, no qual prometeu firmeza e coragem no combate à corrupção, a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, dividiu a mesa com três políticos suspeitos do crime que pretende enfrentar: os presidentes da República, Michel Temer (PMDB), da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), e do Senado, […]
    bloglimpinhoecheiroso
  • Essa agora: Geddel diz que sofre ameaça de estupro na Papuda e quer ir pra casa 14/09/2017
    Que Geddel, o homem das malas e caixas com R$ 51 milhões de propina em casa, iria armar alguma para sair da Papuda e ficar em casa numa prisão domiciliar refrigerada a gente já sabia. Mas a desculpa que ele arranjou foi demais:A defesa de Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) alegou risco de “estupro” na Penitenciária da Papuda, local em que o ex-ministro está recolh […]
    Antonio Mello
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • This Year's Poverty Data Looks a Lot Different When You Break It Down by Race
    Last week's Census release of data on income, poverty, and health insurance demonstrated two things: There are policies that work for people who are struggling, and there is still a lot of work left to do -- especially for people of color in America. It is encouraging that the people who saw the worst losses in the years since the Great Recession -- spe […]
  • Can Trump Pardon Himself and His Children?
    Was it legal for Ronald Reagan to pardon George Steinbrenner? Was it legal for Richard Nixon to pardon Jimmy Hoffa? Was it legal for Bill Clinton to pardon Patty Hearst? Yes, yes and yes. Yet presidential pardon power is vast, but not limitless. As the Department of Justice makes crystal clear, the presidential pardon power does not extend to crimes that vio […]

Parece que o URL do site WordPress foi configurado incorretamente. Verifique o URL nas configurações do widget.

%d blogueiros gostam disto: