Curtas. As Palavras.

Brincando com palavras.

Entender Paul Krugman é uma coisa. Traduzir e ser fiel ao seu estilo são outros 500. 

Nem falo dos trabalhos acadêmicos do mais recente Nobel de Economia.

Basta os textos coloquiais, da sua coluna e do seu blog no New York Times. Muita ironia e jogo de palavras.

Por exemplo, o título do artigo “Banking on the Brinks” recebeu versões diferentes.

Alguns blogs traduziram para “Os bancos diante do precipício”

O Estadão traduziu para “O sistema bancário no limiar do colapso”

O Globo traduziu para “Bancos na Berlinda”.

Banking, além de significar a atividade dos bancos, também designa a direção inclinada de um avião.

Brink é beira, à beira de,  prestes a, no limite, etc.

As letras bnki, nas duas palavras principais, coincidem.

Difícil encontrar em português algo com o mesmo ritmo, concisão e jogo de palavras.

Compreendo que alguns tradutores se vejam tentados a criar.
A criatividade de O Globo me pareceu marota. Conseguiu colocar Bs no início das duas principais palavras. Mas, Berlinda?
Desconfio que se fosse uma situação de falência no Brasil, eles traduziriam para “Bancos empurrados (pelo governo) para queda vertical no precipício”.

 

Palavras demais e de menos

Passagem marcante do livro de Gore Vidal, “Point to Point Navegation”, narra a morte do seu parceiro por mais de 50 anos,  Howard Auster, de câncer pulmonar e suas complicações. Editado em Portugal, tradução muito criticada. Esse livro de memórias de Gore Vidal ainda não foi lançado no Brasil.

“Quer conversar?”, eu perguntei. Houve um longo silêncio  e ele balançou a cabeça.

“Porque não?”

“Porque”, ele disse, “há tanto a dizer” […]

No original: “Because”, he said, “there’s too much to say.” […]

Em espanhol seria mais fácil: “Porque hay demasiado que decir”[…]

Sigamos;

Leto [o enfermeiro] chegou com seu jantar que ele pôs na mesa em frente à poltrona. Desci as escadas para pegar um sanduíche. Poucos minutos depois, Leto gritou, “Mr. Auster parou de respirar!” Corri escadas  acima. Ele estava quieto na sua poltrona, de frente para a janela. Tinha comido a maior parte do seu jantar. Na sua frente havia uma caneca de alguma mistura de vitaminas que ele gostava. “Ele apenas bebeu aquela bebida, inspirou fundo e então ele parou.” Sentei na cadeira em frente e fiz todas as coisas que nós aprendemos dos filmes para determinar a morte. Passei uma mão na frente da sua boca e nariz. Nada mexeu. Montaigne requer que eu descreva mais como ele parecia do que como eu me sentia. Os olhos estavam abertos e muito claros. Tinha esquecido que bonito cinza eles eram – doença e remédios tinham implacavelmente vitrificado; agora eles brilhavam e estavam atentos, e ele estava me olhando, conscientemente, através dos longos cílios. Pulmões, coração poderiam ter parado mas os nervos óticos ainda enviavam mensagens para um cérebro que, aqueles que devem saber nos dizem, não desliga imediatamente.  Assim nos fitamos um ao outro no fim. Ele estava sentado reto quando eu entrei no quarto mas agora, muito levemente ele tombou para a esquerda na sua cadeira. Leto discou paa o 911. “Você pode me ouvir?” Eu perguntei. “Sei que você pode me ver.” Embora não houvesse fôlego para falar, ele agora tinha uma espécie de irreverente expressão irônica do Bronx na sua face que dizia claramente para mim, que conhecia todas estas expressões. “Então esta é a grande merda de que todos falam.”[…]

No original: “So this is the big fucking deal everyone goes on about.”[…]

Palavra Gagá

Gore Vidal encanta pessoas pelo mundo. Não gostei de todos os livros dele. Mas li várias vezes “Juliano” e “A Criação”.  O melhor de sua lavra são os ensaios. Pouco disponíveis no Brasil. Entrevistas raras.

Porém, me deparo com uma chamada no google: “Gore Vidal está gagá”.

Reinaldo, velho eterno candidato ao posto de Paulo Francis, nunca chegará perto, colonista da Veja esbraveja o gagá por conta de uma entrevista de Gore Vidal na Folha. Acusa o repórter de disputar “para ver quem consegue ser mais crítico a George Bush”. Injúria ao repórter.

A primeira pergunta mostra a ignorância da turma da Folha. E como Gore Vidal precisa instruir a moçada:

“FOLHA – Depois do 11 de Setembro, o quão solitário era ser o senhor, uma das três ou quatro vozes norte-americanas que ousaram dar opiniões contrárias às da “Junta Bush-Cheney”, como o sr. os chama? 
GORE VIDAL –
 Muitas vozes se levantaram contra as guerras do presidente depois do 11 de Setembro. O único momento em que me sinto solitário é quando percebo que a mídia controlada pelas grandes corporações tem negado o direito de crítica contra um regime cada vez mais totalitário. Mas, desde as eleições roubadas de 2000, tenho falado para grupos cada vez maiores contra a junta Cheney-Bush”.

Putz! Três ou quatro vozes? Esses caras não conhecem nada dos EUA fora da mídia corporativa.

Competição de ignorância: Veja e Folha de São Paulo. Páreo duro.

Gagá? Enquanto Gore Vidal mantém, e faz por onde, admiradores pelo mundo, o candidato a Paulo Francis faz sucesso na Veja, São Paulo. E é cortejado pelo seu governador.

Há espaço no mercado para este estilo agressivo de mentiras. 

Veja, O Globo, Folha, Reinaldo e cia estão aí para atender tal demanda.

A propósito desta, o professor Wanderley Guilherme dos Santos escreveu uma excelente coluna: “Manifesto a favor do preconceito”, no jornal Valor.

“Temível é a inabalável certeza do autor de que ele, ao contrário dos que pensam diferentemente, é educado e bem informado. Não é nem uma coisa nem outra, mas desse dogma de delirante superioridade é que surgem a intolerância e a política da violência. Quantos milhões de brasileiros tal vírus já terá contaminado?”

Boa leitura, clique aqui.

 
Publicado em Notícias
Um comentário em “Curtas. As Palavras.
  1. Ana disse:

    Excelente análise. Imagino o trabalho de artesão na construção de tão sólidos argumentos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Ordem no cabaré 23/09/2017
    Arnaldo César (*) Gostem ou desgostem, o recado está dado: Ou, o executivo, o legislativo e o judiciário tomam tenência na vida e acabam com essa […] O post Ordem no cabaré apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Práticas espúrias do Congresso no banco dos réus 22/09/2017
    Marcelo Auler Pode parecer mais uma atividade de denúncia do nosso sistema político espúrio, corrupto e, para muitos, falido. Mas, a realização da 4ª Sessão do […] O post Práticas espúrias do Congresso no banco dos réus apareceu primeiro em Marcelo Auler.
    Marcelo Auler
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Nova denúncia contra Temer: vale a pena ver tudo de novo?
    É como reprise de novela: você já conhece o elenco, a trama e o final. Os personagens são os mesmos. Vale a pena ver tudo de novo? A partir desta segunda-feira, a Câmara deixa tudo de lado para julgar a nova denúncia apresentada pela PGR contra o... Continue lendo
  • Dorival erra feio nas substituições e estraga festa no Morumbi
    Tinha tudo para ser uma grande festa Tricolor no Morumbi lotado por mais um público recorde na manhã deste domingo. Até a metade do segundo tempo, o São Paulo vinha fazendo sua melhor partida sob o comando de Dorival Júnior, dominava completamente... Continue lendo
  • Brasil começa a crer que sofreu golpe de Estado 25/09/2017
    Foi quase de enlouquecer ter visto o povo brasileiro apoiando a derrubada de um governo que era a única coisa que defendia esse mesmo povo da sanha saqueadora dos tucanos e dos peemedebês. Os brasileiros conscientes sofremos essa tortura. Pela pátria. Mas começamos a ser redimidos. Já não era sem tempo...
    eduguim
  • Desigualdade, desemprego e violência: Assim é o país do ajuste fiscal de Meirelles 25/09/2017
    Programa de reformas do ministro da Fazenda é voltado a 0,2% da população, agrava disparidades sociais e econômicas e pretende promover um retorno ao período anterior a 1930. Samuel Pinheiro Guimarães, via RBA em 17/9/2017 1) O programa econômico do senhor Henrique Meirelles, atual ministro da Fazenda; ex-presidente do BankBoston entre 1996 e 1999 e […] […]
    bloglimpinhoecheiroso
  • Membro do MBL que pintou muro de Doria ganha boquinha na prefeitura 25/09/2017
    João Doria (PSDB) contratou um integrante do MBL (Movimento Brasil Livre) que ajudou a apagar uma pichação feita por manifestantes na casa do prefeito, nos Jardins (zona oeste de SP). O gesto mostra... Blog de política Brasil. Os amigos do Presidente Lula
    noreply@blogger.com (Helena™)
  • Ipsos: cai desaprovação a Lula e sobe rejeição a Moro e Bolsonaro 25/09/2017
    O ex-presidente Lula teve seu índice de desaprovação reduzido e sua taxa de aprovação ampliada em setembro na comparação com o mês anterior, segundo o mais recente Barômetro Político, pesquisa mensal... Blog de política Brasil. Os amigos do Presidente Lula
    noreply@blogger.com (Helena™)

Parece que o URL do site WordPress foi configurado incorretamente. Verifique o URL nas configurações do widget.

%d blogueiros gostam disto: