Vingança da Abudância

Clique para texto original

 Lembra os bons velhos tempos, quando costumávamos falar da “crise dos subprime” e alguns ainda pensavam que esta crise poderia ser “contida”? Oh, a nostalgia!

Hoje sabemos que o empréstimo subprime era apenas uma pequena fração do problema. Até mesmo os maus empréstimos imobiliários, em geral, eram apenas parte do que deu errado. Vivemos em um mundo de mutuários encrencados, desde construtores de shopping centers até países europeus que viviam “milagre” econômico. E novos tipos de problemas de dívidas continuam surgindo.

Como aconteceu esta crise da dívida mundial? Por que é tão abrangente? A resposta, eu diria, pode ser encontrada em um discurso que Ben Bernanke, presidente do Federal Reserve, deu há quatro anos. Na época, Bernanke estava tentando acalmar os ânimos. Mas o que ele disse na verdade foi o presságio da quebra que estava por vir.

O discurso, intitulado “A Fartura da Poupança Global e o Déficit das Contas Correntes nos Estados Unidos”, ofereceu uma nova explicação para o aumento rápido do déficit comercial norte-americano no início do século XXI. As causas, segundo Bernanke, não estão na América, mas na Ásia.

Ele mostrou que , em meados da década de 1990, as economias emergentes da Ásia foram os principais importadores de capital, tomando empréstimos no exterior para financiar seu desenvolvimento. Mas depois da crise financeira asiática de 1997-98 (que se apresentou como grande coisa na época, mas em comparação com o que está acontecendo agora parece trivial), estes países começaram a se proteger acumulando grandes reservas em ativos no estrangeiro e, por consequência, exportando capital para o resto do mundo.

O resultado foi um mundo inundado em dinheiro barato, que procurava algum lugar para ir.

A maior parte deste dinheiro foi para os Estados Unidos – daí o déficit comercial gigante, porque o déficit comercial é a outra face da entrada de capital. Mas como Bernanke apontou muito bem, o dinheiro também foi para outros países. Em particular, várias das menores economias europeias receberam um fluxo de capital que, ainda que muito menor em dólares do que aquelas injetadas nos Estados Unidos, eram bem maiores se comparadas ao tamanho de suas economias.

Ainda assim, muito da fartura da poupança global foi parar na América. Por quê?

Bernanke citou “a profundidade e sofisticação dos mercados financeiros do país (os quais, dentre outras coisas, permitiram às famílias acesso fácil à riqueza imobiliária)”. Profundidade, sim. Mas sofisticação? Bem, pode-se dizer que os banqueiros americanos, fortalecidos por um quarto de século de zelo desregulatório, levaram o mundo a encontrar formas sofisticadas de enriquecer a eles próprios ao esconder riscos e enganar investidores.

Muitos dos outros agraciados com esta enxurrada de capital foram sistemas financeiros porcamente regulados e escancarados. Isto pode explicar a algo assustadora correlação entre os elogios conservadores de dois ou três anos atrás e o desastre econômico de hoje. “As reformas fizeram da Islândia um Tigre Nórdico”, declarou um artigo do Instituto Cato. “Como a Irlanda Tornou-se o Tigre Celta” era o título do artigo da Heritage Foundation; “O Milagre Econômico da Estônia” era o título de outro. Todas estas três nações estão em crise profunda agora.

Por algum tempo, a entrada brusca de capital criou a ilusão de riqueza nestes países, exatamente como ocorreu com os proprietários americanos: o preço dos ativos estava subindo, as moedas estavam fortes e tudo parecia bem. Mas bolhas, mais cedo ou mais tarde, sempre estouram e as economias miraculosas de ontem tornaram-se os casos perdidos de hoje, nações cujos ativos evaporaram, mas cujas dívidas continuam de todo reais. E estas dívidas são um fardo especialmente pesado porque a maioria dos empréstimos foi estabelecida em moedas de outros países.

Os danos não são exclusividade dos tomadores originais de empréstimos. Nos Estados Unidos, a bolha do mercado imobiliário estava situada principalmente nas regiões costeiras, mas quando a bolha estourou, a demanda por bens manufaturados, especialmente de carros, desmoronou – o que teve um efeito bastante pesado no coração industrial da América. Da mesma forma, as bolhas da Europa estavam situadas na periferia do continente, ainda que a produção industrial da Alemanha – que nunca teve uma bolha financeira, mas é o coração industrial da Europa – esteja caindo rapidamente, graças ao despencar da exportação.

Se quiser saber de onde veio a crise global, então pense da seguinte forma: assistimos a vingança da abundância.

E a abundância da poupança ainda está por aí. Na verdade, está maior do que nunca, agora que os consumidores subitamente empobrecidos redescobriram as virtudes da parcimônia e o boom imobiliário mundial, que serviu de vazão para todo o excesso de poupança, virou uma perda generalizada.

Uma maneira de ver a situação internacional agora é que estamos sofrendo o paradoxo global da parcimônia: ao redor do mundo, o montante economizado excede a quantia que as empresas desejam investir. E o resultado é um colapso global que deixa todos em situação pior.

E foi assim que nos metemos nesta confusão. E ainda procuramos pela saída.

Paul Krugman

Publicado em Notícias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Crescimento de Lula coloca luta de classes no centro da conjuntura, diz André Singer
    Categoria:  Artigos Jornal GGN - O crescimento da candidatura de Lula recolocou a luta de classes no centro de debate novamente, avalia o cientista político André Singer. Em artigo na Folha deste sábado, Singer apresenta os números de pesquisas de opinião que mostram o auge da impopularidade de Lula e retomada da boa avaliação entre os eleitores das classes […]
  • Juiz concede autorização definitiva para psicólogos aplicarem "cura gay"
    Categoria:  Saúde Por Felipe Pontes Da Agência Brasil O juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília, decidiu hoje (15) tornar definitiva a decisão liminar (provisória) que havia proferido em setembro deste ano, autorizando psicólogos a atenderem eventuais pacientes que busquem terapia para mudar sua orientação sexual. A decisão garante […]
  • Por que a mídia de direita ataca Gilmar Mendes. Por Eugênio Aragão 16/12/2017
    POR EUGÊNIO ARAGÃO, ex-ministro da Justiça Notícia de jornal e de hebdomadários é que nem jabuti em árvore. Não chega sozinho lá. Alguém ali o coloca. Para entender noticiário é preciso conhecer a história por detrás dele. Há sempre uma razão para ter este ou aquele título, este ou aquele lead, esta ou aquela abordagem. […] O post Por que a mídia de direita […]
    Diario do Centro do Mundo
  • VÍDEO: advogado que grampeou Moro diz em depoimento que Youssef e Janene tinham dinheiro enterrado em contêineres 16/12/2017
    O advogado Roberto Bertholdo depôs como testemunha no STF no âmbito de uma ação penal na qual o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR) é réu. Meurer é acusado pela Procuradoria Geral da República de receber dinheiro através da atuação do ex-deputado federal José Janene, morto em 2010, e do doleiro Alberto Youssef. Bertholdo, que advogou […] O post VÍDEO: adv […]
    Kiko Nogueira
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • A despedida do Balaio do Kotscho
    Adeus, amigos. Chegou a hora da despedida do Balaio do Kotscho aqui no R7, que publicou meu blog desde 2011. Foram quase seis anos e meio de convívio quase diário, de domingo a domingo (neste último, escrevi sobre o grande Rolando Boldrin, o "Sr.... Continue lendo
  • Última semana para a “reforma política”: eles só querem grana
    Acaba esta semana, no dia 7, o prazo para o Congresso Nacional terminar sua "reforma política" para que as mudanças propostas possam valer já na eleição de 2018. Como os dias úteis das excelências costumam terminar na quinta-feira, o tempo urge... Continue lendo
  • Tacla Duran diz que pode ser ouvido como testemunha 15/12/2017
    Ex-advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Duran diz que pode ser ouvido como testemunha na Lava Jato. Ele afirmou isso aos advogados do ex-Presidente Lula na presença de um notável. Assista a íntegra do depoimento O post Tacla Duran diz que pode ser ouvido como testemunha apareceu primeiro em Blog da Cidadania.
    eduguim
  • Para economizar, Banco Mundial quer que Temer acabe com o ensino superior gratuito 22/11/2017
    Via Estadão Conteúdo em 21/11/2017 Para cortar gastos sem prejudicar os mais pobres, o governo deveria acabar com a gratuidade do ensino superior. Essa é uma das sugestões apresentadas no relatório “Um ajuste justo – propostas para aumentar eficiência e equidade do gasto público no Brasil”, elaborado pelo Banco Mundial. A ideia é que o […]
    bloglimpinhoecheiroso
  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • Random Screening
  • Economic Update: Different Economics, Different Policies
    This week's episode includes discussions of parental leave policies in the UK, the fining of Citibank for its abuse of student borrowers, the self-critical ads now being aired by tobacco companies and Jeff Bezos's obscene wealth. We also address Marxian economics and UK Labor Party policy initiatives. Download the show To see more stories like this […]

Parece que o URL do site WordPress foi configurado incorretamente. Verifique o URL nas configurações do widget.

%d blogueiros gostam disto: